Ministério da Educação troca chefe de gabinete por militar

Em mais uma baixa, pasta também demitiu o assessor especial do ministro Vélez Rodríguez

São Paulo

O Ministério da Educação (MEC) sofreu mais duas baixas. Foram demitidos o assessor especial do ministro, Bruno Garschagen, e a chefe de gabinete, Josie de Jesus, substituída por mais um nome militar na pasta. 

As exonerações foram publicadas no Diário Oficial da União desta quinta-feira (4) e assinadas pelo chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni.

Josie de Jesus era ex-funcionária do Centro Paula Souza, em São Paulo, e ficou menos de um mês no cargo. Ela teve a nomeação publicada no dia 11 de março. No lugar dela, o MEC anunciou Marcos de Araújo, ex-subcomandante geral da Polícia Militar do Distrito Federal e professor da Academia dos Bombeiros de Brasília.

Ele entra na pasta uma semana depois de o também militar Ricardo Vieira Machado assumir como secretário-executivo, a posição número 2 do MEC. O cargo estava vago desde o dia 12.

Assessor especial do ministro Ricardo Vélez Rodríguez, Garschagen também é considerado muito próximo do guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho. O assessor permaneceu na função por dois meses, tendo sido nomeado em 30 de janeiro.

Ele é formado em direito, tem mestrado em ciências políticas e é autor de um livro intitulado "Pare de acreditar no governo". A pasta ainda não anunciou um novo nome para o lugar de Garschagen.  

O MEC vive desde o início de março um turbilhão envolvendo exonerações e mudanças que já atingiu ao menos 20 cargos. Sem experiência em gestão e com poucas conexões com o debate educacional, Vélez montou sua equipe a partir da indicação de vários grupos —o que resultou em um mosaico de interesses e disputas.

A dança de cadeiras no MEC começou em 8 de março. Ao tentar dar agilidade às ações do MEC, o movimento atingiu discípulos do escritor Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo e responsável pela indicação de Vélez ao cargo.

O grupo olavista iniciou, assim, uma campanha de ataques que atingiu o ministro e pessoas ligadas a outros grupos, como militares e técnicos oriundos do Centro Paula Souza. Ricardo Roquetti, um dos assessores mais próximos de Vélez, foi o primeiro a entrar na mira dos olavistas e o próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL) exigiu sua demissão.

Vélez ainda precisou demitir o secretário-executivo, Luiz Antonio Tozi. A mesma pressão dos olavistas não permitiu que o ministro nomeasse dois substitutos anunciados para o lugar de Tozi, o que resultou na demissão de Iolene Lima.

Na semana passada, o presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), Marcus Vinicius Rodrigues, foi demitido ao ser responsabilizado pela suspensão da avaliação de alfabetização —medida tornada sem efeito depois

Também sem ter sido consultada sobre o tema, a secretária de Educação Básica do MEC, Tania Leme de Almeida, pediu demissão.

SAÍDA ESPERADA

A chegada de Marcos de Araújo ao MEC reforça a presença militar na pasta, liderada desde a semana pelo secretário-executivo, Ricardo Vieira Machado. A saída de Josie de Jesus, no entanto, era esperada.

Ligada ao grupo do Centro Paula Souza, ela chegou ao cargo de chefe de gabinete como uma solução temporária. Josie assumiu o posto no início de março após a saída de Tiago Tondinelli, ex-aluno de Olavo de Carvalho exonerado na primeira leva de mudanças no MEC. 

Mas o governo tem reforçado a presença dos militares sem alijar completamente a ala mais ideológica. A exoneração do assessor

Bruno Garschagen havia sido decidida há pelo menos duas semanas. Garschagen deve, inclusive, voltar ao governo em breve, após descanso de alguns dias.A Folha apurou que seu nome é dado como certo para assumir a superintendência em Brasília da TV Escola, gerenciada pela Associação Roquette Pinto.

Outro defenestrado do MEC, Eduardo Melo, já foi acomodado como diretor-adjunto da entidade. Melo, ligado ao grupo mais ideológico, também fora demitido do MEC no início de março.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.