Nova frente parlamentar quer cultivar ordem e patriotismo em escolas de SP

Grupo da Assembleia Legislativa defende colégios em parceria com PM; uniforme não é o principal, diz líder

Angela Pinho
São Paulo

Deputados estaduais lançam nesta sexta-feira (30) uma frente parlamentar em defesa de escolas militares em São Paulo.

O estado já negocia a implantação de um colégio em parceria com as Forças Armadas. No último dia 20, o governador João Doria (PSDB) recebeu no Palácio dos Bandeirantes o chefe do Estado-Maior do Exército, general Braga Netto, para tratar do tema.

A unidade deve ficar no Campo de Marte, na zona norte da capital paulista.

Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo
Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo - Fabio Braga - 16.out.2016/Folhapress

O que a frente parlamentar da Assembleia Legislativa reivindica, porém, é um pouco diferente: são escolas com gestão compartilhada com a Polícia Militar, explica o deputado Tenente Coimbra (PSL), presidente do grupo. Isso já vem ocorrendo em outras localidades, como o Distrito Federal.

Atualmente, o planejamento da secretaria estadual da Educação de São Paulo não prevê escolas geridas dessa forma.

A pasta lançou no início de julho, contudo, um plano de segurança que prevê a alocação de policiais da reserva dentro de uma escola estadual, em um projeto-piloto que pode ser expandido para toda a rede. Ele atuaria na mediação de conflitos.

Outras medidas previstas no projeto são a alocação de policiais de folga para vigiar as unidades e medidas mais rígidas para alunos que praticarem vandalismo e atos de violência.

Segundo o deputado do PSL, o programa da gestão Doria atende a demanda da frente, ao prever a integração com a polícia. 

O objetivo dos parlamentares, segundo ele, é criar condições para que valores como responsabilidade e disciplina sejam cultivados na rede de ensino. "Isso o programa contempla", diz.

Segundo ele, questões como uso de uniforme militar são secundárias e não devem ser o foco do grupo criado na Assembleia Legislativa. "Cultivar valores como o patriotismo independe de corte de cabelo, de o aluno estar fardado ou não", diz.

Entre as medidas que o deputado defende para disseminar esses valores no sistema educacional estão a incorporação à rotina de práticas como cantar o hino e fazer fila.

De acordo com Coimbra, a frente parlamentar terá cerca de 20 deputados.

Secretário-executivo da entidade Defenda PM, que apoia a Polícia Militar, o coronel da reserva Ernesto Puglia Neto afirma que a forma como os policiais participarão dos colégios ainda precisa ser discutida, mas ele apoia o grupo.

"O jovem hoje tem uma baixa tolerância à frustração. Com disciplina isso melhora", afirma. "É importante aprender a negociar entre o que se quer e o que se pode."

Críticos da expansão dos colégios militares dizem que as unidades não respondem aos principais desafios educacionais do país, como evasão e baixos índices de aprendizagem, e dizem que a militarização não contribui para uma formação integral.

Defensores da medida, por sua vez, apontam que os colégios militares têm desempenho melhor nas avaliações do que os demais.

Ao compará-los com escolas com o mesmo nível socioeconômico, porém, o resultado tende a ser similar, como mostrou reportagem da Folha.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.