Descrição de chapéu

Ao adotar cultura maker, colégio ensina habilidades úteis para a vida inteira

Próximas gerações precisam ser preparadas para passar por diversas ondas de ruptura

Ricardo Cavallini

A escola tem um papel importante para formar o cidadão. No entanto, não podemos nos esquecer de que é também sua função preparar os alunos para o mercado de trabalho.

E preparar as crianças para qual cenário? A revolução que vivemos nos últimos 20 anos foi apenas um exemplo do que está por vir.

A mudança tem base tecnológica, mas envolve cultura e ambiente de negócios. Internet, celulares e redes sociais mudaram a maneira como fazemos compras, trabalhamos, namoramos e conversamos.

A única certeza que temos é de que as próximas gerações passarão por diversas ondas de ruptura.

Se já é difícil escolher uma carreira que começará daqui a cinco anos, imagine pensar que ela irá durar décadas e sofrer transformações.

A conclusão é óbvia: a escola deve evoluir. Precisa deixar a fixação de fazer crianças decorarem datas, com provas que lembram o controle de qualidade das fábricas, para se aproximar do provérbio chinês que diz "ensine-o a pescar e ele se alimentará pelo resto da vida". 

O movimento maker e o empreendedorismo são boas respostas para esse desafio.

Engana-se quem acredita que o brasileiro não é empreendedor. Uma pesquisa da Firjan (entidade das empresas do Rio de Janeiro) mostrou que dois em cada três jovens brasileiros planejam ter o próprio negócio.

Eles enfrentarão um ambiente de negócios nada convidativo. A lista de dificuldades não é pequena nem simples: burocracia em excesso, corrupção generalizada, legislação restritiva e impostos de alta complexidade. 

Entretanto, existem algumas questões que a escola poderia —e deveria— ajudar a resolver, como a falta de planejamento e a educação deficiente e defasada.

Somos considerados o país da criatividade. Vale para futebol e publicidade, mas, quando se trata de negócios, a história é outra. 

Saímos do trinômio pet shop-academia-salão de manicure para uma sequência de modismos. Vieram ondas de iogurteria, paleta mexicana, cervejaria artesanal, hamburgueria gourmet e barbearia vintage.

Não precisamos ensinar o brasileiro a empreender: precisamos ensinar a empreender direito.

Não se trata de formar fundadores de startup —até um artista pode ser empreendedor.

Ao inserir a cultura maker, a escola permite aos alunos desenvolverem competências e habilidades que serão úteis em sua vida, independentemente de sua escolha profissional.

O aluno pode aprender a usar a tecnologia para solucionar problemas reais.

Descobrir como lidar com o risco, entendendo o erro como resíduo de um processo positivo de inovação.

Entender que é preciso ter resiliência para projetos complexos. Perceber a importância do trabalho em grupo, das ideias diferentes e da liderança. 

E entender que ele pode mudar o mundo.

Estamos falando de preparar os alunos para serem protagonistas. Agentes de transformação, capacitados para resolver problemas e, principalmente, capacitados para se adaptar aos novos tempos. De novo, de novo e de novo.

Jurado do Batalha Makers Brasil e fundador da plataforma Makers 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.