Ministro aceita pedido via Twitter e refaz análise de prova de filha de apoiador

Há ações na Justiça pedindo revisão de notas; Inep diz que está atendendo a todos, mas não dará resposta individual

Ministro da Educação Abraham Weintraub durante entrevista coletiva em Brasília sobre o ENEM - André Coelho/Folhapress
Brasília

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, determinou nova análise da prova do Enem de uma candidata após receber reclamação do pai dela —que nas redes sociais se mostra alinhado ao governo Bolsonaro—, via Twitter.

Há ao menos 24 ações individuais na Justiça, além de uma ação civil pública do Ministério Público Federal de Minas Gerais, que pedem nova análise da prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Neste ano, o exame teve parte de suas notas divulgadas com erros, causando vários transtornos aos estudantes que tentam vagas nas universidades públicas.

Neste sábado (25), um homem identificado como Carlos Santanna postou no Twitter uma reclamação, marcando o perfil do ministro da Educação: "Ministro, minha filha tem certeza que a prova do Enem dela não teve a correção adequada e que ela foi prejudicada. E agora? A Inês é morta? O Sisu [Sistema de Seleção Unificada] termina amanhã", escreveu, identificando, em seguida, o número de inscrição da filha no Enem.

Em seu perfil nas redes sociais, o homem se mostra alinhado ao governo Bolsonaro e ferrenho crítico do PT.

Cerca de uma hora depois, Weintraub respondeu ao apoiador, também no Twitter, com um print screen de uma mensagem privada que trocou no WhatsApp com uma pessoa registrada em seu telefone celular como "Alê".

A Folha confirmou que se trata de Alexandre Lopes, presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pela realização do Enem

Nessa mensagem, "Ale" escreve, em resposta ao pedido anterior de Weintraub para verificar o caso: "Ministro, a participante teve a prova corrigida corretamente. Tudo confere. Fez a prova em Ribeirão Preto/SP. Conferido com a aplicadora. Não houve erro de associação no caso dela", escreve "Alê", em referência ao erro de associações de códigos que teriam causado os problemas em cerca de 6.000 provas.
Weintraub, então, respondeu ao apoiador, no Twitter, postando o print screen da conversa, precedida da seguinte frase: "Caro Carlos, veja a resposta abaixo. Abraço."

A assessoria do Inep afirmou à Folha, neste domingo (26), que o instituto está revisando as provas de todas as pessoas que estão reclamando de maneira informal, por meio das redes sociais, mas que não dará respostas individuais a elas, como fez Weintraub em relação a seu apoiador.

Segundo o órgão, cabe ao candidato insatisfeito consultar seus dados no site --caso tenham sido alterados, é por que havia erro e a situação foi corrigida. Caso contrário, é porque não havia erro.

A Folha pediu a relação de todas as pessoas que tiveram seus casos reavaliados após reclamação feita nas redes sociais, mas não houve resposta.

Segundo o Inep, os resultados de todos os candidatos foram revistos na semana passada, antes da abertura do Sisu. Após esse o processo o instituto divulgou, na segunda-feira (20) que 5.974 participantes tiveram as notas corrigidas.

Em nota encaminhada à Folha no meio da tarde deste domingo, após o primeiro contato, o Inep argumenta que todas as revisões das notas foram feitas de ofício, independente de terem sido solicitadas ou não. 

"As revisões feitas pelo Inep garantiram a tranquilidade para execução do Sisu com normalidade", diz a nota.

O órgão diz que "não realizou nenhuma revisão individual a pedido do ministro, somente comunicou a ele o resultado das análises previamente feitas".

Na mensagem recebida pelo ministro, entretanto, há informações específicas da participante, como seu local de prova. "Fez a prova em Ribeirão Preto/SP. Conferido com a aplicadora".

O ministro também havia escrito nas redes sociais, no sábado, que os candidatos estavam recebendo explicações pessoais, inclusive por meio de telefonemas.

"Quando isso foi feito no passado? Evidentemente, entramos no perfil do queixoso para verificar se a pessoa é realmente estudante", escreveu Weintraub.

A afirmação, entretanto, contraria a resposta dada pelo Inep neste domingo, segundo a qual nenhum candidato está recebendo resposta individual sobre suas reclamações.

Sobre as demandas na Justiça, o Inep afirma que a AGU (Advocacia-Geral da União) é a responsável legal por cuidar desses casos.

O ministério tem negado a ocorrência de novas falhas para além das já divulgadas. Weintraub chegou a dizer que reclamações relacionadas ao Sisu partem de pessoas vinculadas a partidos radicais de esquerda

Os problemas no Enem de 2020 levaram a Justiça Federal de São Paulo a suspender a etapa de seleção do Sisu, cujo período original de inscrição termina neste domingo.

A AGU (Advocacia-Geral da União) recorreu, afirmando que a suspensão apresenta "graves prejuízos à política pública de ensino superior".

A decisão da Justiça foi tomada com base no pedido da Defensoria Pública da União feito em razão dos erros no cálculo da nota do Enem de cerca de 6.000 candidatos. 

O juiz Hong Kou Hen também determinou que o Inep comprove em até cinco dias que a revisão das notas nas quais foram encontradas falhas foi considerada para a readequação das notas de todos os candidatos ao Enem e que todos os participantes que pediram a revisão tiveram o pedido reavaliado, ainda que não atendido, e receberam resposta.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.