Descrição de chapéu
Palavra Aberta

O que a Finlândia pode nos ensinar sobre 'fake news'

País nórdico investe em educação midiática desde o ensino básico

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Mariana Mandelli

Quando se trata do reconhecimento público da qualidade de um sistema educacional, as escolas finlandesas figuram há anos no topo das discussões pedagógicas e rankings de avaliação de desempenho. Tida como um modelo a ser seguido, pauta de inúmeras reportagens na imprensa nacional e internacional e tema de estudos acadêmicos mundo afora, tanto na educação como nas políticas públicas, a Finlândia tem resultados sólidos no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa).

Mas, para além das ótimas e longevas notas em leitura, matemática e ciências, áreas avaliadas pelo exame da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o país nórdico tem se destacado por outro tipo de ação educacional: o combate à desinformação.

O título de "nação imune às 'fake news'" difundido na mídia estrangeira não foi dado à toa. Um relatório divulgado em 2019 mostra que os finlandeses são o povo mais resistente a crer em boatos e mentiras espalhados nas plataformas digitais. O país ficou em primeiro lugar entre 35 países em um estudo que mediu a resiliência ao fenômeno pós-verdade. O índice, denominado Media Literacy Index, é medido pelo Open Society Institute de Sofia (Bulgária). Logo atrás da Finlândia estão Dinamarca, Holanda, Suécia e Estônia.

Crianças de oito anos em sala de aula na Finlândia - Olivier Morin - 17.ago.2005/AFP

Vale ressaltar também que a Finlândia aparece em outro ranking de prestígio: o da liberdade de imprensa. Em lista divulgada no ano passado pela organização sem fins lucrativos Repórteres Sem Fronteiras, o país está em segundo lugar, logo após a vizinha Noruega. O Brasil ocupa a 105ª posição. 

Mais recentemente, uma reportagem do The Guardian publicada em janeiro deste ano mostrou como a educação midiática foi introduzida no currículo das escolas finlandesas desde 2016, privilegiando o pensamento crítico e o contato com informações produzidas nas mais diversas plataformas. 

Em entrevista ao jornal britânico, Jussi Toivanen, responsável pela comunicação do escritório da primeira-ministra Sanna Marin, disse que a desinformação tem como “objetivo corroer os valores e normas” finlandeses, destruindo “a confiança nas instituições que mantêm a sociedade unida”.

Sua fala vai ao encontro do que propõe o Ministério da Educação e Cultura finlandês ao instituir uma nova política nacional de educação midiática. De acordo com a pasta, a iniciativa é intersetorial, pois conta com o apoio do Instituto Nacional do Audiovisual do país, e foi baseada em evidências diversas, como uma pesquisa online com a participação da população e entrevistas com pesquisadores das universidades. 

Com isso, o objetivo é “oferecer educação midiática abrangente, de alta qualidade e sistemática”, uma vez que “um alto nível de conhecimento da mídia promove uma vida boa e significativa e é uma habilidade cívica que pertence a todos” os cidadãos finlandeses.

Por aqui, o quadro é diametralmente oposto, não só nos dados do Pisa como na relação dos brasileiros com a disseminação de conteúdo nefasto nas redes sociais. Outro estudo, com metodologia e amostra diferentes, colocou o Brasil no mais alto lugar do pódio entre os países que mais creem em boatos e mentiras. Segundo o Instituto Ipsos, em relatório publicado em 2018, 62% da população já acreditou em uma informação falsa. 

Mas há caminhos já constituídos. O Brasil começa a dar seus primeiros passos na direção de implantar uma política nacional consistente que trate desse tema. Nesse contexto, é necessário destacar a relevância e a urgência da implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o sistema educacional brasileiro. 

A base tem uma sólida ênfase em cultura digital como uma das competências primordiais a serem desenvolvidas em crianças e jovens do ensino fundamental e médio. Ademais, o campo jornalístico-midiático ocupa uma boa parte dos conhecimentos em língua portuguesa que os alunos e alunas devem adquirir ao longo da trajetória escolar, sabendo diferenciar gêneros midiáticos (como propagandas, reportagens etc), consumir informação com responsabilidade e participar do ambiente informacional de maneira ética.

Tudo isso deve, é claro, contar com apoio das redes de ensino, que devem atuar na formação dos professores e no fornecimento de recursos e materiais que permitam o trabalho pedagógico correspondente ao que demanda a BNCC.

É claro que é sempre bastante raso –e perigoso– ranquear sistemas de ensino e comparar países, uma vez que, de partida, suas populações apresentam muitas diferenças em aspectos socioeconômicos e culturais. Por outro lado, é importante conhecer iniciativas que demonstram evidências e resultados, especialmente se sustentadas ao longo do tempo, como ocorre na Finlândia.  

Educação de qualidade, imprensa livre e conscientização sobre a desinformação não podem ser expressões vagas. São elementos fundamentais para uma democracia forte, e são indissociáveis em um mundo conectado, dentro e fora das escolas.  

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.