Reitor do ITA é o mais cotado para ser 4º ministro da Educação de Bolsonaro

Escolha do substituto de Decotelli é motivo de disputa entre aliados do presidente

Brasília

Com a demissão de Carlos Alberto Decotelli do MEC (Ministério da Educação), o atual reitor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), Anderson Ribeiro Correia, é o nome mais forte entre os cotados para assumir a pasta.

A gestão Jair Bolsonaro busca um substituto para o ministro que saiu após ficar cinco dias no cargo. A escolha para o MEC virou uma disputa entre aliados do presidente — militares com cargos no governo contra a chamada ala ideológica, ligada aos filhos do presidente e ao escritor Olavo de Carvalho.

O próximo ministro da Educação será o quarto do governo Bolsonaro em um ano e meio de gestão. Trata-se de um cenário inédito de trocas em período tão curto, pelo menos desde a redemocratização. A pasta viveu polêmicas na gestão Bolsonaro, provocadas pelos mandatários anteriores —Decotelli, Abraham Weintraub e Ricardo Veléz Rodríguez.

Anderson Ribeiro Correia, à direta, durante cerimônia com o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub
Anderson Ribeiro Correia, à direta, durante cerimônia com o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub - Gabriel Jabur - 11.fev.2020/Divulgação Ministério da Educação

Último a acupar o cargo, Decotelli pediu demissão após universidades contestarem títulos incluídos no seu currículo. Nesta terça (30), ele confirmou à Folha que deixou o cargo depois de uma conversa com Bolsonaro no Planalto.

Favorito para substituí-lo, Anderson Correia foi presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior) até o fim do ano passado, quando voltou a dirigir o ITA —cargo que ocupara antes de assumir o órgão ligado ao ministério.

Seu nome já havia sido cotado para o cargo após as demissões de Vélez Rodríguez e Weintraub. Ele é evangélico, do meio militar e tem perfil técnico, o que atenderia o objetivo atual do governo para a pasta.

Correia fez parte do grupo que discutia educação ainda na transição do governo, que também tinha participação de Decotelli. O nome do reitor do ITA recebeu apoio de lideranças do Senado e da Câmara, que teriam patrocinado sua indicação junto ao presidente.

A Folha apurou que Correia já consultou o Comando da Aeronáutica, responsável pelo ITA, sobre a possibilidade de receber o convite para o MEC. Caso ele seja chamado, o Comando não deve se opor.

Além de Correia, o governo estuda outras indicações. Uma delas é a do professor Gilberto Garcia, que foi presidente do CNE (Conselho Nacional de ​Educação), reitor da Universidade Católica de Brasília e da Universidade São Francisco (SP), onde leciona atualmente.

Quem defende o seu nome no governo, argumenta que ele é pardo, o que manteria um negro no cargo, e franciscano, pontos que podem ser favoráveis à imagem do governo. Garcia acumula experiência na área e conta com boa articulação com o setor educacional.

O núcleo militar ainda considera o nome do professor Marcus Vinicius Rodrigues, ex-presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) nos primeiros meses do governo Bolsonaro.

O conselheiro do CNE Antonio Freitas também é cotado. Pró-reitor na FGV, seu nome aparecia como orientador do doutorado não realizado por Decotelli —Freitas disse não saber por que existia a menção.

Forte cotado antes do anúncio de Decotelli, o nome do secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, voltou a circular. Ele fez chegar ao Planalto que ainda estaria à disposição, mesmo preterido na semana passada.

A ala de apoiadores de Bolsonaro ligada a Olavo de Carvalho também tem indicado nomes para o presidente. A aposta inicial era no secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, que teria preterido à indicação, segundo a Folha apurou. A secretária de Educação Básica, Ilona Becskeházy, também é apoiada pelos chamados olavistas do governo.

Assessor de Weintraub no MEC, Sérgio Sant'Ana é um outro defendido pelo grupo do escritor. Ex-advogado de grupos educacionais privados, é admirador de Olavo de Carvalho, tido como guru ideológico do bolsonarismo.

Ilona e Sant'Ana participaram, por exemplo, de vídeos sobre educação do grupo Brasil Paralelo, que produz conteúdo com viés de direita. A empresa exalta a ditadura militar e costuma escolher o aniversário do golpe de 1964 para lançar suas produções, como ocorreu com o material de educação.

Outro cotado para o cargo é o atual presidente da Capes, Benedito Aguiar, que é evangélico e tem apoio de parlamentares religiosos.​

Enquanto o nome do novo ministro não é definido, o MEC está sob gestão do seu secretário-executivo, Antonio Paulo Vogel.

A instabiliade no MEC é inédita desde a redemocratização do país, na década de 1980. Situação mais próxima da que se vive atualmente, só no segundo mandato de Dilma Rousseff (PT), marcado pela turbulência do processo de impeachment, que derrubou a então presidente.

De janeiro de 2015 a maio de 2016, houve três ministros da Educação: Cid Gomes (jan.2015 a mar.2015), Renato Janine Ribeiro (abr.2015 a out.2015) e Aloizio Mercadante (out.2015 a mai.2016). Antes da posse de Janine, o então secretário-executivo do MEC, Luiz Cláudio Costa, respondeu interinamente pela pasta.

Novos candidatos à vaga de ministro

Gilberto Garcia
foi presidente do CNE (Conselho Nacional de Educação), reitor da Universidade Católica de Brasília e da Universidade São Francisco (SP)

Marcus Vinicius Rodrigues
ex-presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais)

Antonio Freitas
conselheiro do Conselho Nacional da Educação e pró-reitor na FGV

Ilona Becskeházy
secretária de Educação Básica do MEC

Renato Feder
secretário de educação do Paraná

Sérgio Sant’Ana
foi assessor especial de Weintraub no MEC

Benedito Aguiar
presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)

Anderson Ribeiro Correia

foi presidente da Capes e é o atual reitor do ITA

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.