Empresa brasileira de tecnologia na educação concorre a prêmio da ONU

Geekie já alcançou mais de 5.000 escolas públicas e privadas no Brasil

São Paulo

Com o tema “Transformando a Educação no Brasil”, a Geekie, empresa que alia tecnologia a metodologias pedagógicas e que integra a Rede Folha de Empreendedores Socioambientais, está concorrendo à premiação da Conferência Internacional sobre Voluntariado e Transformação Social.

Esse é um evento do escritório da Organização das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça, que é realizado nesta terça-feira (11) e quarta (12).

Painel sobre o trabalho da Geekie  (à dir.) na Conferência Internacional sobre Voluntariado e Transformação Social
Painel sobre o trabalho da Geekie (à dir.) na Conferência Internacional sobre Voluntariado e Transformação Social - Divulgação

Durante a conferência, são debatidos temas como a construção de uma sociedade inclusiva, igualdade de oportunidades para o desenvolvimento e ferramentas de tecnologia da informação para criar ambientes acessíveis. Serão premiados iniciativas inspiradoras de transformação social.

A Geekie surgiu em 2011 com o objetivo de oferecer aprendizado adaptativo para todos. Os fundadores da Geekie, Claudio Sassaki e Eduardo Bontempo, criaram uma plataforma de educação adaptativa capaz de personalizar planos de estudos a partir de uma análise de desempenho do aluno

Essa tecnologia aponta quais são as falhas do estudante e o direciona para lições específicas que supram suas necessidades. Eles venceram em 2014 o Prêmio Empreendedor Social.

Em seu trabalho, a Geekie alcançou mais de 5.000 escolas públicas e privadas, impactando cerca de 12 milhões de estudantes.

Segundo Sassaki, a empresa tenta ajudar a levar a educação a um novo patamar. “Não se trata de automatização, mas da possibilidade inovadora de personalizar, canalizar o tempo dos educadores e gestores para o que realmente importa, e utilizar os recursos e metodologias capazes de apoiar uma educação coerente com as necessidades dos nossos alunos”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.