G10 Favelas lança fundo para incentivar negócios locais em periferias

Qualquer pessoa pode contribuir através da campanha de crowdfunding no site da eSolidar

São Paulo

O G10 das Favelas, bloco de líderes e empreendedores de impacto social das favelas, acaba de criar o Fundo para Desenvolvimento do Empreendedorismo de Impacto Social, em parceria com a eSolidar, plataforma que oferece às instituições sem fins lucrativos ferramentas simples para atrair recursos e aumentar a visibilidade e, às empresas, uma nova forma de gerenciar e comunicar a responsabilidade social.

O lançamento aconteceu durante o Slum Summit 2019 - 1° Encontro do G10 Favelas, em Paraisópolis, no dia 23 de novembro, quando foi aberto o crowdfunding com o intuito de arrecadar R$ 2 milhões para incentivar negócios locais em favelas brasileiras.

O objetivo da iniciativa é estimular a união de forças em prol de desenvolvimento econômico e protagonismo das maiores comunidades. 

“O fundo pretende apoiar empreendedores, gerando emprego e atraindo investimentos para as favelas. É uma iniciativa modelo que vai mudar a forma como realizamos captação de recursos, fazendo o processo mais eficiente, colaborativo e conectado a uma rede de apoio”, afirma Gilson Rodrigues, membro do G10 e líder comunitário da favela de Paraisópolis.

Gilson Rodrigues, 35, presidente da União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis e do Fundo Social Comunidades
Gilson Rodrigues, 35, presidente da União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis e do Fundo Social Comunidades - Alexandre Battibugli/Divulgação

​As principais comunidades do país participam da iniciativa: Rocinha e Rio das Pedras (RJ), Heliópolis e Paraisópolis (SP), Cidade de Deus (AM), Baixadas da Condor e da Estrada Nova Jurunas (PA), Casa Amarela (PE), Coroadinho (MA) e Sol Nascente (DF).

Segundo dados da empresa de comunicação Outdoor Social, juntas, elas contam com um potencial de consumo de mais de R$ 7 bilhões até o final de 2019. 

o fundo

Dividida em ações específicas, a iniciativa terá duas frentes. A primeira delas é a escolha dos projetos dentre todos os inscritos até o dia 31 de janeiro de 2020 no link.

Já no mês de fevereiro serão escolhidos os 20 projetos que mais se destacaram e em março os apoiadores do fundo que realizaram a sua contribuição pelo crowdfunding poderão escolher qual irá apoiar. 

A partir disso serão selecionados os dez negócios que serão apoiados pelo G10 das Favelas. Qualquer integrante de uma das comunidades pertencentes ao bloco pode se inscrever para pleitear o auxílio do fundo. 

A outra será o lançamento em março de 2020 de um aplicativo em que moradores poderão sacar um valor diário —que vai depender do montante arrecadado no crowdfunding aberto no site— para usar em compras do dia a dia, como comida, fraldas, gás.

O app, que contará com o uso da tecnologia blockchain (rede descentralizada de dados para a realização de transações financeiras de maneira segura), também desenvolvida pela eSolidar, fica disponível na fase de testes em Paraisópolis e depois será estendido para as demais comunidades. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.