Atados conecta voluntários a pessoas que precisam de apoio na quarentena

Campanha #FiquenoSofá une pessoas e organizações a diversas causas sociais durante a pandemia

São Paulo

É possível aproveitar a quarentena para prestar trabalho voluntário sem sair de casa. A campanha #FiqueNoSofá, promovida pelo Atados, plataforma que conecta pessoas a organizações e projetos sociais, busca incentivar o voluntariado a distância.

Os interessados podem ajudar sem sair de casa, direto de seus sofás. Para isso, o Atados reúne centenas de vagas online para que os voluntários possam se engajar em projetos relacionadas ao combate à pobreza, consumo consciente, educação, idosos, meio ambiente, proteção, saúde, entre outros.

"Nossa maior ferramenta de impacto para o momento é a solidariedade. O voluntariado é uma ótima oportunidade de compartilhar a missão de sua organização com outras pessoas, ampliando ainda mais sua rede", diz Daniel Morais, fundador do Atados.

A organização tem o propósito de mobilizar pessoas, articular soluções e recursos para impulsionar transformações e fortalecer a atuação de organizações em diversas causas sociais.

Atualmente, a iniciativa disponibiliza centenas de oportunidades de vagas para voluntariado, e muitas delas podem ser feitas completamente à distância.

Cartas para idosos

Durante a pandemia, muitos idosos se viram sozinhos e sem ninguém para conversar. Por isso, a iniciativa propõe a escrita de cartas motivacionais à mão para aqueles que não sabem ou sequer têm acesso à comunicação digital.

Vizinho solidário

Atitude que pode ser praticada por qualquer pessoa que esteja fora do grupo de risco. O vizinho solidário ajuda outros moradores do condomínio ou vizinhança que não possam se expor durante a quarentena.

O trabalho consiste em tarefas cotidianas, como fazer compras no supermercado, feira ou farmácias, passear com os cachorros ou até mesmo dedicar 20 minutos para uma conversa por telefone.

Ajuda aos sem-teto

A orientação das autoridades é para ficar em casa e intensificar os hábitos de higiene, mas há quem viva em situação de rua e não tem moradia para se proteger, muito menos acesso aos itens básicos de higiene.

Para ajudar, o Atados dá a dica de criar um ponto de apoio para oferecer, gratuitamente, itens de higiene, alimentos e cartilhas para informar essas pessoas sobre a Covid-19.

Companhia virtual

O Brasil concentra muitos imigrantes e refugiados de diversas nacionalidades. No período de distanciamento social, muitos podem ser sentir sozinhos e perdidos, principalmente por estarem longe de suas famílias.

A companhia virtual usa videochamadas para realizar o trabalho voluntário. Dessa forma, é possível conhecer diferentes histórias, oferecer apoio emocional e ajudá-los a melhorar a fluência no português.

Apoio psicológico

Um dos reflexos mais comuns do confinamento são os impactos psicológicos, inclusive em crianças e idosos. Nem todos têm condições financeiras de buscar atendimento pago, por isso o Atados sugere que profissionais da saúde mental contribuam dedicando parte de seu tempo para terapias online.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.