Tragédia em terminal químico vence concurso de games com foco em inovação social

Games for Change América Latina também selecionou jogos para o Museu do Ipiranga

São Paulo

O Festival Games for Change América Latina, da organização que capacita criadores de jogos e inovadores sociais com foco em games para mudar o mundo, anunciou os vencedores da edição virtual deste ano.

O primeiro colocado é um jogo que rememora, na visão de uma criança, o incêndio dos terminais químicos da Ultracargo, em 2015. O fogo atingiu a Vila dos Pescadores, retratada em “Aurora: A Child's Journey”, de Camila Bothona, com projeto de Luski Game Studio. O jogo será apresentado em Nova York em julho de 2021.

“O jogo usa arte e tecnologia para contar uma tragédia de profundo impacto social, colocando a visão de uma criança no centro da experiência. É um exemplo claro de projeto que propõe mudança de consciência por parte do jogador, alerta para os impactos ambientais da indústria e tudo isso com uma arte primorosa”, justifica Gilson Schwartz, presidente da G4C América Latina.

Uma das atrações do Festival Games for Change América Latina é o PITI 3D: Playground Imersivo Terapêutico Imaginário
Uma das atrações do Festival Games for Change América Latina é o PITI 3D: Playground Imersivo Terapêutico Imaginário - Divulgação

Além da viagem a Nova York, o projeto vencedor recebe prêmio em “Moedas da Paz”, uma criptomoeda que funciona como unidade de conta da gratidão.

O segundo colocado foi “Locall”, de Klauss Roedel, uma aplicação sofisticada de técnicas de colaboração e projetamento para o desenvolvimento de comunidades. Em terceiro lugar a escolha recaiu sobre “IST – Informação sem Tabu”, de Luiz Gustavo dos Santos Lima, um jogo analógico que aproxima crianças e adolescentes de temas delicados no campo da educação sexual.

Além dessas premiações, o Museu do Ipiranga selecionou projetos que serão desenvolvidos para celebrar os 200 anos da Independência do Brasil. “Sombras da Verdade” de Caio dos Santos Barbosa, “Mistérios da Independência” de Marina Jötten e “Retrato Falado” de Lucas Magon Santos terão apoio do Museu para desenvolvimento e publicação como parte das celebrações do bicentenário em 2022.

Finalmente, houve três Menções Honrosas. “D.E.A.XI”, de Yoshie Debora Wasano, foi o destaque entre os projetos desenvolvidos na disciplina “Produção de Games” no Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes da USP. “Defenders4Change”, projeto coordenado por Juliana Santos Pinheiro, professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, alinha o “gameplay” a uma campanha pela proteção de animais silvestres e “pets”, tendo como foco os direitos dos animais.

“Avant Garden”, de Paulo Hartmann, é uma sofisticada “gamificação” da proteção às árvores nas cidades, uma proposta desenvolvida a partir do seminário internacional realizado pelo Núcleo de Pesquisa em Tecnologias para Arquitertura, Urbanismo e Design (NUTAU) da FAU-USP.

“A premiação também revela um campo de possibilidades de criação de jogos analógicos e digitais que abrem perspectivas de acesso e democratização de acervos, pesquisas e tecnologias.

Mais que uma simples “gamificação”, as propostas adotam a perspectiva de “game ativação”, ou seja, ativação de iniciativas que colaborem para a transformação de consciências, comportamentos individuais e viabilização de novas redes colaborativas”, completa Schwartz.

Patrocinado pelo Consulado Geral dos EUA em São Paulo e apoio da Reitoria da USP, o Festival totalmente online foi uma realização do grupo de pesquisa “Cidade do Conhecimento” da USP.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.