Saúde & Alegria atua no combate à desinformação no repique da Covid-19 no Pará

Iniciativa concorre na Escolha do Leitor em que público poderá, além de votar em suas preferidas, doar para ações de enfrentamento à Covid-19

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Para aguentar o repique da Covid-19 na região Norte neste ano, a ONG Saúde & Alegria manejou recursos de combate ao vírus e atendimento à população com um planejamento a longo prazo.

A experiência de 30 anos de atuação no Pará trouxe a sabedoria de lidar com a reincidência de doenças, como é o caso da diarreia e da cólera, em um estado com baixo índice de saneamento básico.

“Nesse período o rio sobe, os moradores consomem água contaminada e as doenças se instalam”, afirma Eugenio Scannavino, um dos fundadores do projeto. A queda nas doações à ONG e o desgaste econômico da população também eram esperados.

A novidade foi a resistência acima da média a vacinas. “Temos que gastar tempo e energia para explicar certas coisas que imaginávamos superadas”, diz.

Desde 1987 o Saúde & Alegria promove saúde, educação, cultura, inclusão e sustentabilidade na região. Em 2020, a ONG criou a campanha Com Saúde & Alegria sem Corona, um dos destaques no Prêmio Empreendedor Social do Ano em Resposta à Covid-19.

A iniciativa repassou insumos, medicamentos e EPIs a órgãos públicos, destinou kits de higiene e cestas básicas a comunidades e criou ações de comunicação em programa de rádio. “Paralisamos nossos projetos de ecoturismo, bioeconomia e restauração florestal para focar nas atividades de combate ao vírus”, afirma Scannavino.

O navio-hospital Abaré 1, que leva atendimento médico a comunidades ribeirinhas, se tornou central de distribuição de kits de higiene e cestas básicas nas bacias dos rios Arapiuns, Maró e Tapajós. “Apoiamos o poder público, que certamente entraria em falência com a demanda causada pela pandemia.”

A campanha atendeu a 52 mil pessoas em 18 municípios e 10 territórios indígenas, quilombolas, ribeirinhos e assentados do Oeste do Pará em 2020.

Neste ano, a ONG intensificou os esforços diante do colapso do sistema público de saúde. “A falta de oxigênio que afligiu Manaus aflige o baixo Amazonas”, explica.

Cilindros, concentradores e até uma miniusina de oxigênio estão sendo destinados aos municípios. E houve reforço na campanha educativa sobre a importância das vacinas. “É lamentável que existam campanhas levando desinformação a aldeias”, aponta Scanavinno.

Como finalista na categoria Ajuda Humanitária do prêmio, o Saúde & Alegria vai à votação popular, concorrendo com outras nove iniciativas na Escolha do Leitor.

O público poderá eleger seu finalista favorito em cada uma das categorias ao longo de três meses, em formato inovador no qual a enquete, no site da Folha, torna-se também plataforma de doação.

COMO VOTAR NA ESCOLHA DO LEITOR

Passo 1 Acesse folha.com/escolhadoleitor2021 e escolha a iniciativa que mais fez seus olhos brilharem

Passo 2 Clique no botão "Quero votar" e aguarde a confirmação

Passo 3 Faça uma doação para uma delas clicando em "Doar agora"

Passo 4 Preencha seus dados, valor da doação e clique em "Enviar"

Os vencedores da Escolha do Leitor, tanto os recordistas de votos quanto os líderes na captação de doações, serão anunciados em um dos eventos de comemoração aos 100 anos do jornal ao longo de 2021.

Para Scanavinno, receber o prêmio da Folha é um selo de qualidade público. “No momento em que organizações sociais são desmoralizadas no país, a premiação certifica o bom uso dos recursos no combate à pandemia”, afirma.

As doações recebidas via Escolha do Leitor serão divididas para fortalecer as demais organizações que lideraram a campanha: Conselho Indígena Tapajós-Arapiuns, Associação do Povo Munduruku do Médio Tapajós e Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares de Santarém.​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.