'Meditação é simples, mas relógio, celular e nós mesmos somos os inimigos', diz monge Choepel Rinpoche

Mestre budista brasileiro está em São Paulo e participará de evento sobre o cérebro, meditação e neurociência

São Paulo

Se a aceleração e a hiperconectividade do mundo contemporâneo são capazes de dispersar a atenção e fragmentar pensamentos, embaralhando o que seria linear ou previsível, cada vez mais a meditação tem sido evocada como antídoto para perturbações e doenças da mente.

Basta ver a profusão de ofertas de aplicativos de meditação conduzida e do que vem sendo chamado de mindfulness, termo comumente traduzido como "atenção plena". 

"Se você me perguntar o que é mindfulness, eu sinceramente não sei explicar porque existem tantas versões, que eu não sei qual está valendo", brinca o monge budista Segyu Choepel Rinpoche, 69. 

Nascido no Rio de Janeiro, Antônio Carlos Silva se formou engenheiro elétrico e ajudou nos cálculos da ponte Rio-Niterói antes de desviar para um novo caminho, que o levou a estudar psicologia transpessoal na Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA), onde conheceu um mestre budista que mudaria ainda mais sua vida.

O monge budista brasileiro Choepel Rinpoche, que vive nos EUA, participa de evento sobre o cérebro, em que fala de meditação e neurociência
O monge budista brasileiro Choepel Rinpoche, que vive nos EUA, participa de evento sobre o cérebro, em que fala de meditação e neurociência - Lucas Seixas/Folhapress

Reconhecido como a reencarnação de um lama da linhagem Segyu (o mesmo que hoje precede seu nome), Choepel Rinpoche passou por anos de treinamento na escola Gelupga, a mesma em que estudou o Dalai Lama. Depois se mudou para o Vale do Silício, na Califórnia, onde suas práticas ganharam fama entre astros de Hollywood, como Kurt Russell, e pesos pesados da indústria de tecnologia, como o próprio cofundador da Apple Steve Jobs (1955-2011).

"Na escola Gelupga não se fala de mindfulness porque é uma técnica que tem sido vista como apropriada para este mundo contemporâneo, mas não para um caminho profundo de concentração que desenvolve a compreensão de padrões internos e, portanto, clareza da versão pessoal de realidade que se vive", explica.

"Se tem uma meditação que empodera a sua mente, despertando um sentido de paz, de compaixão, de harmonia e de tranquilidade, por que não existe um grande interesse e atração por ela?", questiona o monge, antes de ele mesmo responder. "Porque, no mundo caótico em que vivemos, que é instantâneo e no qual as pessoas estão sempre sob o estímulo do 'eu quero, eu quero, eu quero', vivemos uma onda de superficialidade."

Choepel Rinpoche está em São Paulo para participar do BrainSpace, evento sobre ciência e criatividade, com foco no cérebro e curadoria do neurocientista Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entre os 13 painéis que ocorrem nesta quarta (20) e quinta-feira (21), no Unibes Cultural, Rinpoche debate meditação e inspiração com a cientista Eliza H. Kozasa, do hospital Israelita Albert Einstein.

O que é meditação e como ela se relaciona ao cérebro? Meditar é o ato de usar a mente. Posso meditar sobre o tipo de hambúrguer que eu quero comer hoje. Mas o sentido da meditação idealizada por iogues do passado foi entender a natureza da mente. Neste sentido, meditar é o ato se concentrar e empoderar a mente. Mas esse empoderamento não é trazer uma mente vazia, como se pensa muitas vezes, mas uma mente livre de conceitos errôneos em relação à natureza da realidade.

Daí sai o ato de iluminar-se: você se torna uma pessoa que enxerga a própria mente com clareza. 

Ao popularizar-se, a meditação foi distorcida de alguma maneira? Fala-se muito em mindfulness. Se você me perguntar o que é mindfulness, eu sinceramente não sei explicar. Existem tantas definições que eu não sei qual delas está valendo. Ninguém trata de mindfulness em escolas tradicionais tibetanas. A escola Gelupga não fala de mindfulness porque é uma técnica que tem sido vista como apropriada para este mundo contemporâneo, mas não para um caminho profundo de concentração que desenvolve a compreensão de padrões internos e, portanto, clareza da versão pessoal de realidade que se vive.

Por que as pessoas têm perseguido tanto o tal mindfulness? Se tem uma meditação que empodera a sua mente, despertando um sentido de paz, de compaixão, de harmonia e de tranquilidade, por que não existe um grande interesse e atração por ela? Porque, no mundo caótico em que vivemos, que é instantâneo e no qual as pessoas estão sempre sob o estímulo do 'eu quero, eu quero, eu quero', vivemos uma onda de superficialidade.

Construir a mudança desses padrões toma tempo. E vejo esse processo não como religião, mas como ciência de uma evolução mental, para que as pessoas possam ter uma qualidade de mente mais aberta, compassiva, alegre, harmoniosa, amorosa.

Parecemos estar distantes desta mente. Estamos e não estamos. A meditação é muito simples, mas qual é o nosso próprio inimigo? Nós mesmos, o aplicativo, o relógio, o celular por onde chegam mensagens a todo o tempo e que queremos atender. As pessoas não param, não conseguem se concentrar, e se sentem ansiosos. 

Muita gente me julga porque abandonei uma carreira promissora para me tornar um contemplativo. E não há preço que pague, a não ser o meu esforço de estar no caminho.

Como se medita, então? O desafio é a vontade, o querer. Porque a técnica é muito simples. Quando sua mente divagar, traga ela de volta, a mente divaga, você traz de volta. O melhor é se concentrar na respiração, é não perder a sensação do ar entrando e do ar saindo. Se perder a sensação, a concentração foi interrompida, e é preciso trazer a mente de volta. Até que tenha uma mente serena e a atenção estará plena. 

Com esta mente, você terá força o suficiente para eliminar um padrão de comportamento, uma atitude sua, e refazer o pensamento, criando um novo padrão. 

Quais os tipos de meditação capazes de nos transformar? O primeiro é de concentração. Você tem de ter uma mente focada, e isso lhe dá força mental de separar a dor do sofrimento, por exemplo. Reconhecer que a dor está ali, é inevitável, mas o sofrimento é opcional.

Quando eu tiver essa força mental, entro na meditação analítica e começo a ver meu padrão de comportamento. Por que eu me aborreço com determinadas situações? O que me levou a ter esse tipo de comportamento? Aí começo a mudar a minha aplicabilidade de vida e meus insights. As fichas vão caindo. O processo é simples, mas é difícil porque não temos motivação clara de fazê-lo corretamente e ser uma pessoa mais altruística, justa, de paz, de harmonia e viver num ambiente de mais amor, compaixão e carinho comigo, meus entes queridos e o mundo.

Vivemos um tempo pautado por competição, ostentação e vaidade. Essa natureza narcísica prejudica o autoconhecimento? Tudo o que a gente faz nessa lógica da competição é apontar para o outro, focar no outro, culpar o outro. A gente aponta o indicador para o outro, mas ainda sobram esses três dedos aqui (mostra a própria mão) que apontam para nós mesmos e representam nossos padrões internos, nossas histórias internas e nossa ignorância em relação a nossas potencialidades. Ego, vaidade, orgulho dificultam o olhar para dentro. 

O sr. tem seguidores no Vale do Silício, polo produtor de tecnologias, muitas consideradas dispersivas. A meditação é antídoto ao apelo frenético da comunicação em tempo real? Não é a tecnologia que nos aprisiona. Somos nós e a maneira como nós usamos a tecnologia. Eu sempre fui ligado a tecnologia e, no Vale do Silício, eu consigo desafiar esses desenvolvedores brilhantes no pensar correto. Essas inteligências formadoras de pensamentos são capazes de mudar o mundo. Mas elas ainda estão muito incipientes nesse processo. Precisam repensar a forma de competir e liderar o mundo, usando a tecnologia para o bem da humanidade, e não do mundo corporativo. 

Acho que minha atuação no Vale pode ser importante neste sentido de desenvolver o potencial mais puro de cada ser humano. Um de meus alunos foi dar uma aula na Apple nesta semana para falar exatamente sobre isso. Como abandonar certas ideias em nome de uma visão mais profunda e aberta da tecnologia exterior, mas também da tecnologia interior, de como transformar o ser humano internamente.

Como o sr. vê o interesse da medicina e da ciência pela meditação? Técnicas de meditação foram pronunciadas pela primeira vez há dois mil e quinhentos anos. E a ciência está começando a se despertar para esse conhecimento milenar. Ciência funciona assim: se existe uma teoria que pode reformular o meu pensamento, eu não vou aceitar e dizer que a pesquisa não tem validade. Numa segunda fase, as evidências se tornam tamanhas que não é mais possível ignorar a teoria, mas sigo a questionando. Na terceira fase, as evidências são tão potentes e incontestes que não posso mais questioná-las. E, para não dar o braço a torcer, eu digo que comprovei a eficácia daquilo. Estamos nessa fase, e a ciência está tentando se apropriar da meditação. Mas a meditação está aí há milhares de anos.

Qual o benefício da meditação para a saúde? Quantas causas de enfermidades são produzidas pelo estresse? Quando a patologia está formada é porque existia um desequilíbrio há muito tempo. Antigamente, não se falava em doença psicossomática, da mente para o corpo, como se fala hoje. Portanto, se você tem mais harmonia, você tem mais saúde. Hoje a meditação está sendo usada para diminuir o colesterol, melhorar a pressão alta ou o sistema imunológico. Nós não somos um corpo. O corpo é o veículo da mente. Melhore a qualidade da sua mente e você terá mente e corpo plenos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.