Descrição de chapéu Coronavírus Dias Melhores

Em SC, funcionários de abrigo levam crianças para casa por proteção contra coronavírus

Medida foi autorizada pela Justiça em Florianópolis para evitar expor crianças e funcionários ao contágio

Vanessa Rocha
Florianópolis

Seis servidores da Casa de Acolhimento Municipal para Meninos de Florianópolis levaram as crianças e adolescentes do local para as suas próprias casas. A iniciativa da equipe do abrigo, que teve respaldo do Juizado de Infância e Juventude, foi tomada para proteger os meninos do risco de contaminação pelo novo coronavírus.

“Eles trouxeram a ideia e a gente se emocionou na hora. Pensaram que eu ia achar que era loucura. Eu me emocionei e falei: ‘Claro, vamos atrás’. O promotor deu parecer favorável e o apoio do judiciário foi fundamental”, diz a secretária municipal de Assistência Social Maria Cláudia Goulart da Silva.

A ideia surgiu após o anúncio do decreto de situação de emergência em Santa Catarina que restringe a circulação de pessoas nas ruas. “Com os funcionários indo e vindo para trabalhar no abrigo, nos preocupamos com a possibilidade de algum contrair o vírus”, diz Sidnea Goulart, que coordena o abrigo.

“Ouvimos que o isolamento social é o meio mais eficaz para a prevenção. Alguém teve a ideia de que a única maneira de fazer isso era cada um pegar um menino e levar para a sua casa", conta Sidnea. "Isso nos protegeria, protegeria os meninos e seria uma forma de proporcionar aos adolescentes uma possibilidade de estar passando esse momento de crise internacional de uma forma segura e com atenção ao lado emocional deles.”

A casa de acolhimento abriga sete crianças e adolescentes com idade entre oito e dezessete anos. São meninos que passaram por situações de violação de direitos como violência doméstica ou falecimento dos pais. Eles foram enviados ao abrigo por determinação judicial e podem ficar no local até completarem 18 anos.

Cada servidor levou um menino; já a educadora Maria de Lourdes Cancelier, 63, acolheu dois irmãos para evitar que fossem separados. Ela levou a dupla para o sítio da família. “Eu fiz um balanço, eles trouxeram uma bola, fizeram uma trilha até o balanço, tem um rio para tomar banho. Está bem bom. Eles estão bem contentes, bem felizes e eu também”.

“Eu disse para eles: ‘Vocês são visitas’. Mas eles querem lavar a louça, limpar, ajudar na casa. Meu marido estava capinando e foram capinar junto. Eles estão acostumados porque no abrigo eles têm que ajudar na organização". Os servidores não receberão ajuda financeira extra pelos custos de alimentação das crianças.

O promotor de Justiça Marcelo Wegner, que deu parecer favorável ao pedido, diz que outros abrigos de Santa Catarina estão se inspirando na ideia e estão solicitando o parecer do Ministério Público. “A gente está recebendo e despachando para que sejam liberados o mais rápido possível”, diz.

“A gente entende como extremamente positiva essa iniciativa. Toda possibilidade de não ter aglomeração de pessoas é positiva. As visitas tinham sido suspensas no abrigo, mas mesmo assim tem a equipe, os fornecedores. O risco de contágio é muito alto”.

A autorização para levar as crianças e os adolescentes para as casas dos servidores em caráter excepcional foi concedida pela Vara da Infância e da Juventude de Florianópolis.

“A preocupação deles com as crianças e com os adolescentes em tempos como esses chama a atenção para a solidariedade, pela empatia, pelo carinho”, diz a juíza Brigitte Remor de Souza May, que deferiu o pedido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.