Descrição de chapéu Coronavírus

Isolamento pode ajudar a reconstruir relacionamentos e repensar a vida, diz colunista

Vera Iaconelli participou, nesta quarta-feira, da Ao Vivo em Casa, série de lives promovidas pela Folha

São Paulo

Não é ingênuo achar que a quarentena possa gerar resultados positivos para o autoconhecimento e até relacionamentos familiares e amorosos. Foi o que disse a psicanalista e colunista da Folha Vera Iaconelli, nesta quarta-feira (22) durante o Ao Vivo em Casa, série de lives (transmissões ao vivo) do jornal.

“Muitas pessoas estão aproveitando para rever muitas coisas, mas isso é trabalho pessoal. Alguns viram que, talvez, não precisem de tanta coisa, possam cuidar mais de si, não precisem consumir tanto e também não precisem levar uma vida tão demandada”, disse Iaconelli em conversa com a repórter da Folha Érica Fraga, que, durante o isolamento social, compartilha suas experiências dentro de casa com seus três filhos pequenos na live Quarentena em Família.

Segundo a psicanalista, o ser humano dá passos pequenos, com pequenas evoluções, e relatou ocasiões em que, durante o isolamento, um casal pode começar a apreciar a presença um do outro de um jeito que não apreciava, um adolescente volta a se engajar com a família e até irmãos que percebem como pode ser legal estarem juntos.

“Acho que é ingênuo pensar que isso será algo por causa do vírus, algo que acontecerá coletivamente. Isso entra no mérito de cada um, a dedicação de cada para isso. Porque você pode também ficar enchendo a cara dia e noite e sabemos que a violência doméstica aumentou 50%”, analisou ela.

22abr saúde Vera Iaconelli
A colunista da Folha e psicanalista Vera Iaconelli - editoria de arte

Ela, que é autora de livros como "O Mal-estar na Maternidade” e "Criar Filhos no Século XXI", também falou sobre os meios de abordar o isolamento com crianças.

“Não dá para esperar que as crianças compreendam exatamente que está acontecendo, se até para nós tudo é uma grande novidade. Podemos pensar em conversar com elas do tipo ‘olha, está acontecendo uma coisa muito séria e você pode ajudar a fazer disso algo melhor’”, e sugere engajar os pequenos em tarefas domésticas ou pedir para que eles deem atenção aos seus avós via chamadas virtuais.

Sobre casos de pais que têm pensado em desmatricular seus filhos de escolas, ela acredita que cada caso é um caso. “Passado um mês da quarentena, as percepções estão mudando. Os professores estão exauridos, as crianças entediadas e os pais enlouquecidos, então deve ter alguma coisa errada”, disse ela.

“A primeira ideia é que esse não é um ano perdido, é um ano diferente. Não adianta querer comparar com um ano regular. Tenho sugerido aos pais que sentem com as escolas para renegociarem as coisas na ordem da possibilidade, independente da faixa etária, porque cada criança responde de uma forma ao estudo via computador ”, concluiu ela.

Questionada sobre como será o retorno da quarentena, Iaconelli disse que nem tudo precisa acabar em um divã. “Acho que subestimamos nossa capacidade de lidar com situações difíceis, temos que lembrar já vivemos duas Guerras Mundiais, já vivemos uma ditadura militar, a gente voltou sim, voltamos a ser feliz. A gente vai voltar. Vai ser diferente? Vai”, disse ela.

Iaconelli acredita que há dois níveis nos quais que devemos nos preocupar com a volta, um do pessoal com as famílias e o outro nível nacional.

“Esse é o momento que o brasileiro tem a oportunidade de sair de uma situação inédita, ou saímos todos melhor de uma situação como essa ou afundamos todos. O brasileiro tem uma mentalidade de que ‘eu vivo bem, sou de classe média alta, saio na rua com meu carro blindado e, se ficar ruim, eu vou morar em Miami’. Não, não tem viver bem em um país com tanta pobreza e miséria, ou vamos pensar em uma saída de forma coletiva ou vamos voltar para aquela situação de que nunca saímos de um país com dificuldades terríveis”, concluiu ela.

Vera Iaconelli participou do Ao Vivo em Casa, série de lives (transmissões ao vivo) que a Folha estreou na última quarta-feira (15).

Todas as quartas-feiras, as transmissões ao vivo vão trazer dicas de bem-estar e histórias de pessoas que, em meio à crise do novo coronavírus, vêm cultivando modos solidários de relacionar-se com as outras, extraindo da adversidade um novo sentido para a vida. Poder, Folhinha, Saúde, Mercado, Ilustrada, Turismo e Comida também terão entrevistas.

Confira a programação de lives:

Programação das lives

  1. Quinta-feira

    Poder: A colunista Joana Cunha entrevista Chaim Zaher, dono do SEB (Sistema Educacional Brasileiro)

  2. Sexta-feira

    Comida: A repórter Maríia Miragaia entrevista Manoel Beato, sommelier do restaurante Fasano​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.