Descrição de chapéu Coronavírus

Fila de exames para coronavírus é zerada em SP

Desde março, rede de laboratórios realizou 35.569 exames em todo o estado

São Paulo

A fila de amostras aguardando exame para coronavírus na rede estadual paulista foi zerada nesta última terça-feira (21), segundo o governo do estado.

A informação foi anunciada pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, em entrevista coletiva com o governador João Doria (PSDB) nesta quarta-feira (22).

O número de exames represados até a semana passada era de quase 9.000. As amostras são recebidas pela Plataforma de Laboratórios para Diagnóstico do Coronavírus, coordenada pelo Instituto Butantan.

Segundo o secretário de saúde do estado José Henrique Germann, no dia 21 foram liberados 4.332 exames pela rede de laboratórios; 1.144 amostras estão em fase de laudo. Outras 964 amostras estão em análise e devem ser liberadas em até 48 horas.

A secretaria informou ainda que a capacidade de processamento atual da rede é de 5.000 testes por dia, e que foram recebidas nesta quarta-feira (22) 459 amostras.

Em relação aos resultados, Paulo Menezes, coordenador do Controle de Doenças de São Paulo, disse que eles são inseridos na plataforma e liberados para as secretarias de saúde municipais e para as unidades hospitalares públicas e privadas responsáveis por colher as amostras.

A Secretaria Estadual de Saúde do RJ divulgou nota nesta sexta (3) informando que o Lacen (Laboratório Central Noel Nutel), o principal laboratório do estado, zerou a fila de testes de coronavírus - Divulgação/Mauricio Bazilio

De acordo com o governo, zerar a fila de testes não levou a um pico na curva de casos, como era esperado, porque esses laudos estariam diluídos nos números de casos e óbitos divulgados ao longo das últimas semanas.

O infectologista David Uip, coordenador do centro de contingência da doença no estado, explicou ainda que no início da epidemia em São Paulo a notificação de casos era elevada pois muitos casos estariam relacionados a outras síndromes respiratórias, não necessariamente à Covid-19.

Com os resultados dos exames, foi possível descartar internações cujas causas eram outros vírus ou enfermidades, por isso não houve um crescimento acentuado no número de casos desde o início de abril, quando foi criada a plataforma.

Menezes informou que a taxa de positividade para pacientes internados é em torno de 50%.

A taxa de quantos exames que estavam represados e deram positivo, no entanto, ainda não foi divulgada.

Em relação à projeção anunciada de alcançar o marco de 3.000 óbitos no início de maio, Germann afirmou que esses números são calculados com base em modelos estatísticos, mas que a expectativa, com base na incidência de novos casos diários e se o sistema de saúde paulista não entrar em colapso, é que não se chegue a esse número.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.