Descrição de chapéu Coronavírus

SC libera comércio de rua, mas amplia fechamento de escolas e shoppings

Eleito com o apoio de Bolsonaro, governador foi criticado pelo presidente por fechar comércio

Rio de Janeiro

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), anunciou neste sábado (11) a liberação do funcionamento do comércio de rua e de hotéis, com restrições, que estavam fechados para impedir a disseminação do novo coronavírus. Ao mesmo tempo, ampliou o prazo de fechamento de escolas e shoppings no estado.

“Estamos liberando o comércio de rua com regras e sob forte fiscalização”, disse o governador.

A rede de ensino no estado ficará fechada até 31 de maio, assim como academias, teatros, cinemas e eventos esportivos. Shoppings permanecem sem autorização para abrir até dia 30 de abril —o limite de decreto anterior terminava nessa segunda-feira (12).

O governo manteve o apelo para que as pessoas permaneçam em casa. Contudo, liberou comércio de rua proibindo aglomerações. Restaurantes podem abrir apenas para entrega de alimentos, não sendo permitido a permanência. Nos hotéis e pousadas, áreas comuns devem ficar fechadas. As regras detalhadas ainda serão divulgadas pelo governo catarinense.

“Todos nós temos a necessidade de convivermos de uma forma segura” disse Moisés.

Eleito com o apoio de Jair Bolsonaro, o governador de Santa Catarina foi alvo de crítica do presidente há uma semana.

"Esse Carlos Moisés, pelo amor de Deus! Mais um que se elegeu com meu nome", disse Bolsonaro, numa crítica a medidas de fechamento do comércio e de isolamento social.

O governador catarinense rebateu na ocasião dizendo que "não é hora de discurso político".

“Estamos falando da preservação de vidas. Estamos falando de retomada de atividades com critérios técnicos e colocando a vida em primeiro lugar, a exemplo do que fizemos ontem [quarta, 1°]", disse. "Liberamos com regras rígidas o segmento da construção civil. É isso que estamos fazendo."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.