Descrição de chapéu O que foi a Ditadura

O poder e significado do amarelo, segundo cromoterapeutas

Inspirada nas Diretas Já, Folha lança campanha em defesa da democracia

São Paulo

Iniciativas da sociedade civil contra o atual governo, como os movimentos Estamos Juntos e o Somos 70 por cento, que faz referência ao percentual apontado em pesquisas Datafolha de pessoas que não aprovam a gestão do atual presidente, pretendem ressignificar a cor amarela.

Tais movimentos levantam bandeiras contra o fascismo e a ditadura, confrontando bolsonaristas, que se apropriaram do amarelo para manifestar um exacerbado patriotismo, por vezes beirando a xenofobia.

Inspirada nas Diretas Já, a Folha lançou uma campanha em defesa da democracia. Além de ações publicitárias, o jornal está publicando produto editorial especial e oferece um curso gratuito online sobre o que foi a ditadura militar. Há 36 anos, uma faixa amarela foi acrescentada embaixo do cabeçalho do jornal junto à frase “Use amarelo pelas diretas já”. A faixa voltou, mas agora com a frase “#UseAmarelo pela Democracia”, nas versões impressa e digital do jornal.

Frame da campanha "um jornal a serviço da democracia" - TV Folha

Este repórter entrevistou, por telefone, dois cromoterapeutas para saber qual a importância e o significado do amarelo, que a Folha passa a usar em sua nova campanha.

A massoterapeuta e cromoterapeuta paulistana Alessandra Amorim de Barros, 48, com formação no Brasil, na China e na Índia, já aplicou a cromoterapia em mais de 800 pessoas. Segundo ela, a eficácia do uso da terapia é aferida pela resposta positiva que teve das pessoas. “Uso o amarelo em quem está fraco, sem alegria, para quem tem dificuldade de se relacionar ou quer mais sabedoria. Mas nunca uso só o amarelo.”

Perguntada sobre a iniciativa de ressignificação da cor amarela, no âmbito político, a cromoterapeuta respondeu: “Nunca pensei por esse lado. Sou totalmente contra o Bolsonaro. Mas, de um modo geral, o amarelo traz sabedoria”.

O paranaense Valdecir Aparecido Testa, 55, conhecido como Valcapelli, é escritor, psicólogo, cromoterapeuta e atua há 30 anos em São Paulo, onde, segundo ele, já atendeu milhares de pessoas. A eficácia da cromoterapia, de acordo com Valcapelli, pode ser aferida “por acompanhamento de resultado”. “Não há trabalhos [científicos] comprovados. Existem alguns em andamento, como um que busca provar a reação orgânica à projeção de cores na questão de fortalecimento da imunidade.”

Autor de, entre outros, “Cromoterapia, o Segredo das Cores”, o terapeuta diz ter mais de 200 mil livros vendidos sobre temas como saúde emocional e metafísica da saúde.

Para Valcapelli, a cor amarela, quando projetada em uma pessoa, pode despertar alegria, jovialidade e leveza. “Cromoterapicamente falando, o amarelo é um energizador do pâncreas e da pele, por exemplo, para proporcionar saúde.”

Perguntado sobre o novo significado do amarelo, que vem sendo resgatado por grupos com bandeiras pró-democracia nas últimas semanas, o terapeuta respondeu: “Quando se pensa em ressignificar uma cor, por se entender que tenha sido mal utilizada, o melhor seria usar outra cor”.

A sugestão do profissional é que se use o azul. “O azul seria melhor para mostrar a outra face da nação, invés de se ressignificar o amarelo, embora o amarelo traga a luz da consciência e da percepção. Ou seja, o que está escondido e recluso virá à tona, irá aflorar.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.