Descrição de chapéu Coronavírus

Com 65% de eficácia, Indonésia aprova uso emergencial da Coronavac

Plano de vacinação do país asiático vai contemplar primeiro os profissionais de saúde

São Paulo | Reuters

A Indonésia aprovou, nesta segunda-feira (11), o uso emergencial da Coronavac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac contra o coronavírus.

O mesmo imunizante é desenvolvido no Brasil em parceria com o Instituto Butantan e ainda não foi aplicado à população porque aguarda aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Enfermeira segura dose de Coronavac
Enfermeira segura dose de Coronavac - Reuters

O governo da Indonésia também informou que os testes clínicos da Coronavac no país indicaram, preliminarmente, que a eficácia da vacina por lá atingiu 65,3% de eficácia na fase 3 –com 1.620 voluntários.

Para Penny K. Lukito, chefe da agência de Monitoramento de Alimentos e Medicamentos da Indonésia, o índice é satisfatório porque atende “os requisitos da OMS [Organização Mundial de Saúde] que estipula eficácia mínima de 50%”, disse.

A eficácia geral da vacina compara o número de “eventos” (pessoas doentes) nos grupos vacinado e placebo.

Com 65% de eficácia, a Coronavac foi capaz de proteger do coronavírus 65 pessoas a cada grupo de 100.

O presidente do país, Joho Widodo deve receber a primeira dose da vacina chinesa nesta quarta-feira (13) para estimular a vacinação da população. “Por que o presidente é o primeiro? Não se trata de me colocar em primeiro lugar, mas de garantir a todos que esta vacina é segura”, afirmou Widodo por uma rede social.

O plano indonésio prevê vacinar ainda esta semana com a Coronavac os profissionais de saúde e outros funcionários públicos.

A Indonésia, com cerca de 270 milhões de habitantes, conta com apenas 3 milhões de doses da Coronavac em seu território.

O país vive uma escalada da pandemia de Covid-19 entre a sua população. Os últimos dados dão conta de que ao menos 820 mil indonésios já contraíram o coronavírus e outros 24 mil morreram por Covid-19.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO

As autoridades indonésias afirmaram que também garantiram um total de quase 330 milhões de doses futuras da vacina da Sinovac e de outras empresas para uma campanha nacional de vacinação.

Diferentemente da Europa, que vem priorizando a vacinação de idosos, a Indonésia prevê alcançar os trabalhadores mais jovens para aquecer sua economia.

Para impulsionar a aceitação do imunizante no país de maioria muçulmana, o Conselho Ulema, principal órgão islâmico da Indonésia, declarou na semana passada que a vacina é “sagrada”.

Mas os trabalhadores da saúde pública local relatam ceticismo, principalmente, porque a campanha indonésia de vacinação contra a Covid-19 deverá ser a primeira de âmbito internacional a utilizar a vacina chinesa.

Irma Hidayana, uma das fundadoras da LaporCovid-19, uma iniciativa independente que agrega dados da Covid-19 na Indonésia, diz que a desconfiança da população em relação à vacina é um problema local.

Quase 7 em cada 10 indonésios estavam incertos em relação à vacinação contra a Covid-19, segundo pesquisa recente da LaporCovid-19.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.