Descrição de chapéu Coronavírus

Governadores defendem cota extra de 300 mil vacinas para o Amazonas

Estado do Norte do país vive colapso do sistema de saúde e escalada de novos casos da Covid-19

Manaus

Em reunião na noite desta quinta-feira (21), o Fórum dos Governadores dos Estados Brasileiros defendeu a criação de uma cota extra de cerca de 300 mil doses de vacinas para o estado do Amazonas.

O estado, que vive um colapso em seu sistema de saúde, enfrenta uma escalada de novos casos da doença, com recordes e registros de infectados, de hospitalizações e de mortes em decorrência da doença.

As 300 mil doses equivalem a cerca de 5% do total de vacinas previstas em curto prazo, incluindo a Coronavac e a vacina de Oxford/AstraZeneca.

Ao todo, 2 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca devem chegar nesta sexta (22) após a Índia finalmente dar sinal verde à exportação. Outras 4,8 milhões da Coronavac, que já foram envasadas pelo Instituto Butantan, que aguarda a liberação da Anvisa.

A proposta dos governadores ainda será analisada pelo governo federal, a quem cabe decidir sobre a distribuição das vacinas.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que preside o Consórcio do Nordeste e lidera as negociações dos estados relacionadas à vacina, diz que a proposta foi aprovada pelos governadores tendo em vista a gravidade do cenário da pandemia no estado do Amazonas.

“A situação [do Amazonas] é grave, muito mais grave do que antes. E, pior: o vírus começa a se espalhar, já com presença forte na divisa com o estado do Pará”, afirmou Dias.

O objetivo é atender Manaus e as cidades do interior do estado mais afetadas pelos novos casos da pandemia: “É uma ação não só humanitária, mas ela também é estratégica tecnicamente para evitar a propagação [da Covid-19]”, afirmou.

Só na última quarta (20) foram confirmados 5.009 novos casos no Amazonas, sendo 3.632 na capital e 1.377 no interior.

Esse é o maior número registrado em um único dia desde o início da pandemia. Até então, o recorde havia sido registrado em 29 de maio, primeiro pico da pandemia: 2.763.

O governo do Amazonas informou que esse lote extra deve ser dividido entre Manaus e as 61prefeituras do interior de forma igualitária, considerando a população do público-alvo nos municípios.

Além dessas 300 mil doses, o estado deve receber, até a próxima quarta (27), as 50 mil vacinas prometidas pelo governo de São Paulo. Para essas doses, a distribuição ainda não foi definida.

O pedido de doses extras de vacinas para Manaus foi anunciado também pelo prefeito David Almeida (Avante), que disse ter acionado o Ministério da Saúde para pedir prioridade para a capital amazonense.

Com as doses recebidas no dia 18 de janeiro, Manaus deve imunizar 20.036 pessoas, entre elas 19.296 profissionais da saúde, 34% do total. Dessas doses, 1.577 serão destinadas aos profissionais de saúde da rede municipal.

Com as doses extras, a prefeitura pretende ampliar a vacinação e incluir no público-alvo da imunização os coveiros e os agentes do SOS Funeral, serviço municipal de funeral para pessoas de baixa renda.

A nova escalada de diagnósticos de Covid-19 deve pressionar ainda mais os hospitais de Manaus, que já enfrentam crise de falta de leitos e de oxigênio, que vem provocando a morte de pacientes internados na capital e no interior do estado, relatam médicos e as próprias prefeituras.

Na capital, hospitais da rede pública estão superlotados e operam acima da capacidade, com pacientes internados em poltronas por falta de leitos e taxas de ocupação chegando a 111% entre os leitos clínicos e 96% na UTI Covid, segundo o boletim epidemiológico do governo amazonense.

Na rede privada, a taxa de ocupação é de 93% para os leitos de UTI Covid e 85%, entre os leitos clínicos. E, tanto na rede pública quanto na privada, a escassez de oxigênio tem levado os médicos a pedirem que os familiares dos pacientes levem cilindros com o insumo para garantir os tratamentos em caso de novas interrupções, que não estão descartadas.

A campanha de vacinação foi suspensa em Manaus nesta quinta por, pelo menos, 24 horas após denúncias de favorecimento na aplicação de vacinas contra Covid-19.

A Defensoria Pública do Amazonas recomendou a a reformulação do plano de vacinação dos profissionais de saúde em Manaus devido à “quantidade insuficiente de doses de vacina.

As vacinas disponibilizadas nesta primeira fase pelo Ministério da Saúde, que devem ser suficientes para imunizar apenas 34% dos 56 mil servidores da saúde nas redes estadual e municipal da capital.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.