Descrição de chapéu Coronavírus

Ministro diz a prefeitos que não precisam mais reservar 2ª dose e irá antecipar vacinação de professores

Mudança na estratégia ocorre porque há garantia de produção de mais doses, o que permitiria envio em nova remessa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse a prefeitos nesta sexta-feira (19) que a pasta deve alterar a estratégia de vacinação contra a Covid-19.

A partir de agora, cidades não precisam mais reservar a segunda dose da vacina Coronavac para ser aplicada. A justificativa é que já há maior garantia de produção, o que permitiria um envio posterior, em novas remessas.

A informação foi divulgada pela Frente Nacional dos Prefeitos, que pediu a reunião com o ministro.

"Agora, a partir do dia 23, com a chegada de 4,7 milhões de novas vacinas, a imunização será em 4,7 milhões de brasileiros, não a metade, como estava acontecendo até então", informou a frente.

A medida atende a uma demanda dos prefeitos. Nos últimos dias, ao menos cinco capitais tiveram que interromper suas campanhas de vacinação devido a falta de doses. O ministério, porém, ainda orientava manter reservado o volume da 2a dose da Coronavac, alegando que ainda não tinha um cronograma claro de entregas.

O prazo para aplicação da segunda dose para essa vacina é de 14 dias até 28 dias. Já no caso da AstraZeneca, o intervalo é de três meses –neste caso, já não havia previsão de reserva.

Apesar do anúncio de Pazuello a prefeitos, a confusão sobre o que fazer segue. No final da tarde de sexta houve uma reunião de representantes estaduais com Francieli Fontana, coordenadora do Plano Nacional de Imunização.

Na conversa, ela afirmou desconhecer a nova orientação sobre utilização de doses. As secretariais estaduais de Saúde passaram a reportar aos governo sobre a incerteza da regra.

No encontro, Pazuello também disse que deve alterar o cronograma para vacinar professores mais cedo. A expectativa é que isso ocorra até março.

O pedido era feito pelos prefeitos como estratégia para retomar a aulas presenciais no país. O ministério, no entanto, ainda não tinha concordado com a possibilidade.

Segundo informações apresentadas pela pasta na reunião, as 4,7 milhões de doses devem ser enviadas até o dia 28. Destas, 2 milhões seriam da AstraZeneca, importadas da Índia, e 2,7 milhões da Coronavac, que é produzida pelo Butantan.

A expectativa é que haja distribuição de mais 21 milhões de doses em março –daí a possibilidade de calcular outra remessa para a segunda dose da Coronavac.

Ainda na reunião, alguns prefeitos disseram ao ministro ter disponibilidade para adquirir vacinas caso haja apoio do ministério. A situação ocorre em meio a críticas de atraso do governo federal na negociação de novos contratos e baixo fornecimento inicial de doses.

“Não queremos disputar com o governo, mas seria importante permitir que estados e municípios pudessem comprar para garantir a imunização”, disse o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM).

Em resposta, segundo a FNP, o ministro pediu que cidades tenham "paciência" e afirmou que a produção de vacinas deve crescer nos próximos dias.

Segundo o presidente da frente, Jonas Donizette (PSB), Pazuello disse que empresas que tiverem vacinas para vender podem enviá-las ao ministério para compra. Nos últimos meses, no entanto, a pasta tem tido embates com algumas empresas que tentaram acordos, como a Pfizer.

MUDANÇA NO PAGAMENTO DE LEITOS DE UTI PREOCUPA PREFEITOS

Prefeitos também aproveitaram o encontro para cobrar uma posição do Ministério da Saúde sobre o financiamento de leitos de UTI contra a Covid.

Como a Folha mostrou, o número de leitos de UTI habilitados pelo ministério –modelo que permite que recebam recursos federais– tem tido queda e pode zerar em março caso não sejam adotadas novas medidas.

Na reunião, Pazuello voltou a defender que haja uma mudança no critério de pagamento. Hoje, o custeio ocorre de forma antecipada, independentemente da ocupação, em uma estratégia para garantir que os leitos continuem abertos. Já o ministro sugere que o pagamento seja feito apenas após o uso.

A proposta gerou preocupação entre os representantes que estavam na reunião. "O primeiro critério para abertura da economia é o número de leito de UTI disponível. Se vai pagar só pelo leito com pessoa deitada, vai contra esse critério", afirmou Donizette.

Segundo ele, o grupo sugeriu que seja feito um escalonamento, em que a pasta custearia 100% do valor para leitos ocupados e 70% para leitos disponíveis e reservados para a Covid, mesmo sem ocupação. O ministro disse que vai analisar a proposta.

Participaram do encontro os prefeitos de Manaus, Aracaju, Belém, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá, Salvador, Rio de Janeiro e Ribeirão Preto (SP).

Colaborou Igor Gielow, de São Paulo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.