Veículo fica sem combustível após 5 h de espera por vacina em drive-thru de SP

Demora em posto de vacinação no Pacaembu gera revolta entre a população

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O administrador Heverton Roberto de Oliveira Cesar de Moraes, 47, saiu de casa preparado para enfrentar uma longa espera para vacinar a mãe, de 80 anos, no estádio do Pacaembu (zona oeste de SP).

Ele foi supreendido, porém, pela longa demora. Como resultado, após mais de cinco horas esperando pelo atendimento da mãe, seu veículo acabou ficando sem combustível na avenida Pacaembu.

Idosos entre 80 e 84 anos começaram a ser imunizados neste sábado (27) em São Paulo e o estádio é um dos principais pontos de vacinação. Desde que a imunização começou, às 8h, a avenida Pacaembu está travada.

Heverton Moraes coloca gasolina no veículo, que ficou desabastecido depois de cinco horas
Heverton Moraes coloca gasolina no veículo, que ficou desabastecido depois de cinco horas - Danilo Verpa/Folhapress

"Ia tentar em outro ponto, mas nessa hora acabou a gasolina. Eu joguei o carro para o meio-fio e fui buscar gasolina no posto", disse ele.

Enquanto a mãe aguardava no veículo, Moraes vasculhava a pé, debaixo de chuva, o bairro do Pacaembu em busca de um posto aberto. Só na segunda tentativa foi bem sucedido.

Depois de 20 minutos de caminhada, conseguiu retornar com um galão para abastecer o veículo.

Moraes afirmou que pensou que gastaria até três horas na espera, mas que no Pacaembu seria mais rápido. Chamou a atenção dele, inclusive, que até o ex-presidente Michel Temer (MDB) havia se vacinado ali.

"Eu cometi um grave engano [ao escolher o Pacaembu], falaram que é um mega drive-thru. Eu abasteci o carro ainda antes de sair, é muito tempo, ar-condicionado ligado", diz.

O administrador, que havia chegado por volta das 11h, disse à Folha que não estava nem perto de ser atendido por volta das 17h. "É um show de desorganização. Mas vale tudo, minha mãe, né?".

Nem todos estavam conformados. Daniela Mandelman saiu do carro para questionar outra motorista sobre quanto tempo estava na fila.

"Quantas horas a senhora está na fila? Desde meio-dia e meia. Sabe desde que horas estou? Desde 7h45. Eles estão desde o meio-dia e meia. Porque eles [organização do trânsito] estão fazendo errado", disse Daniela, que levava duas idosas para se vacinar. "A polícia está fazendo tudo errado".

Conforme relatos das pessoas que aguardavam, a espera poderia ser maior ou menor, dependendo do caminho que a pessoa fez para chegar à fila.

Na avenida Pacaembu travada, Jaqueline Cardoso, 57, que levava o pai para vacinar, relatou ter passado cinco horas. "Cinco horas, chegando aqui 8h30. Cinco horas sem comer, sem beber. Essa desorientação da polícia que não ajuda em nada. É um absurdo isso, o que você faz com uma pessoa de 81 anos dentro do carro sem comer e sem beber", disse.

Neste sábado, devido à alta procura, o final do atendimento nos drive-thrus foi estendido das 17h para as 19h. Além disso, a prefeitura informou que eles funcionarão também no domingo (28).

SERVIÇO

Neste sábado e domingo, das 8h às 19h nos cinco grandes drive-thrus da cidade:

  • Praça Charles Muller - Estádio do Pacaembu (Zona Oeste)
  • Arena Corinthians (Zona Leste) —só até as 17h
  • Autódromo de Interlagos - Rua Jacinto Júlio, altura do nº 589 – Portão 9, entrada KRF (Zona Sul)
  • Centro de Exposições do Anhembi - Rua Olavo Fontoura – Portão 38 (Zona Norte)
  • Igreja Boas Novas, na Vila Prudente - Rua Marechal Malet, 535 - Parque da Vila Prudente (Zona Leste).

Neste sábado, das 7h às 19h, em 82 AMAs/UBSs integradas do município. Para encontrar endereço mais próximo, buscar em http://buscasaude.prefeitura.sp.gov.br/

A partir de segunda (1º), o atendimento segue nos drive-thrus (a partir das 8h, com horário final a ser definido), nas Amas e também nas 468 Unidades Básicas de Saúde

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.