Descrição de chapéu Coronavírus trânsito

Isolamento social na fase emergencial fica aquém da meta do governo de São Paulo

Trânsito, ocupação de UTIs e lotação de ônibus registraram melhora na capital no período até 30 de março

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O índice de isolamento social no estado de São Paulo ficou aquém do esperado pelo governo João Doria, ao fim da primeira etapa da fase emergencial de combate à pandemia de coronavírus, entre os dias 16 e 30 de março.

A média de isolamento nas duas primeiras semanas foi de 43%, atingindo 44,9% nas duas últimas semanas, de acordo com dados do governo paulista.

O objetivo do governo paulista com a fase emergencial era manter o isolamento social acima de 50%. Esse valor só foi atingido aos domingos, quando o sistema registrou 51%. Fora dos finais de semana, a porcentagem girou entre 43% e 45%.

A previsão era que a fase emergencial terminasse em 30 de março; porém o período foi prorrogado até 11 de abril. A recomendação veio no último dia 24 do centro de contingência contra o coronavírus do governo paulista, por entenderem que o estado já entrou em colapso e que era preciso mais tempo para que os efeitos das medidas mais restritivas sejam sentidos.

O trânsito na cidade de São Paulo, por outro lado, melhorou. Dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) mostram que na primeira quinzena do mês foi registrada média de 35,2 quilômetros de lentidão. Já nas últimas duas semanas, a média foi de 14,7 quilômetros –uma queda de 58,2%.

Também houve diminuição no número de pessoas transportadas nos ônibus da cidade. Entre segunda e sexta-feira dos primeiros 15 dias do mês, a média foi de cerca de 1,8 milhão de passageiros. Já na última quinzena, a média foi de aproximadamente 1,4 milhão, uma redução de 22,2%.

Embora os índices de ocupação dos leitos de UTIs (unidades de terapia intensiva) no estado não tenham diminuída na fase emergencial, houve uma desaceleração no ritmo das internações, sugerindo que as medidas mais restritivas começam a fazer efeito.

Reportagem da Folha mostrou que entre os dias 6 e 20 de março o número total de internados em UTIs cresceu 2,6% ao dia no estado. Na última segunda (29), caiu para 0,7% ao dia. Já nos hospitais ligados à Prefeitura, entre o final de fevereiro a 21 de março, o aumento de internações em UTIs passou da média de 2,3% ao dia, para 0,3% ao dia na segunda.

Nesta terça-feira (30), a ocupação dos leitos de UTIs dedicados ao tratamento de pacientes com Covid-19 estava em 89,9% no estado e 88,5% na região metropolitana da capital. Na semana passada a lotação era maior, com 92,3% no estado e 92,2% na Grande São Paulo.

Durante os próximos quinze dias, as medidas da fase emergencial continuam no estado de São Paulo.

FASE EMERGENCIAL

  • Toque de recolher entre as 20h e às 5h do dia seguinte
  • Proibição do uso de praias e parques
  • Proibição de serviços de retirada de todos os setores, inclusive restaurantes, que podem atender apenas com drive-thru, entre as 5h e às 20h, e delivery (24h)
  • Fechamento de lojas de materiais de construção
  • Proibição de cerimônias religiosas e atividades esportivas coletivas, como jogos de futebol
  • Teletrabalho (home office) obrigatório para atividades administrativas não essenciais,como órgãos públicos e escritórios
  • Orientação de escalonamento no horário de setores para evitar aglomerações no transporte coletivo: das 5h às 7h para trabalhadores da indústria, das 7h às 9h para trabalhadores de serviços e das 9h às 11h para trabalhadores do comércio
  • Suspensão de aulas; escolas abertas apenas para alimentação e distribuição de materiais, com agendamento prévio
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.