Atropelado, triatleta fez o mais difícil para voltar a competir

Documentário mostra saga de Tim Don, que correu 6 meses após acidente

Sérgio Xavier Filho
São Paulo

Quem não é do ramo do triatlo talvez nem o conheça. Tim Don tem nome de ator pornô, mas é celebridade esportiva, um atleta monstruoso.

Em 2017, o britânico estraçalhou o recorde mundial do Ironman na etapa de Florianópolis. Conseguiu 7h40min24 nos 3,8 km de natação, 180 km de bicicleta e 42 km correndo. Foi quatro minutos mais rápido que o recorde anterior.

O melhor ano da vida de Tim Don também foi o pior. Em outubro, na véspera do Ironman de Kona, no Havaí, foi atropelado quando treinava de bicicleta. Poderia ter morrido, poderia ter ficado paraplégico. Teve a chamada “fratura do carrasco”, a ruptura da vértebra C2 que costuma ser vista em quem morre enforcado.

Sua história poderia ter terminado, mas foi aí que começou a história do documentário “The Man with the Halo” já disponível no YouTube. São 28 minutos de angústia, emoção... e torcida. Não há como não torcer para um sujeito que rapidamente faz a escolha que a  maioria de nós não faria.

Logo após o acidente, Tim Don é transportado do Havaí para Denver, no Colorado. Lá escuta do médico que teria basicamente duas opções.

Uma cirurgia poderia fundir a vértebra e permitir uma vida quase normal depois. Haveria alguma limitação na amplitude do pescoço e a carreira de atleta profissional precisaria ser interrompida. Nada tão dramático, já que ele estava na beirada dos 40 anos.

A alternativa seria bem mais penosa. Don poderia se submeter ao “halo” do título do documentário. 

“É uma experiência miserável, mas é a melhor opção para uma recuperação completa sem limitações a longo prazo. Você pega pinos de titânio e enrosca-os no crânio, dois na frente e dois na parte de trás, e os prende a barras de metal, que prendem a um busto que você usa por três meses e não pode tirar. É tortura pura. Mas funciona”, explica o médico Brian Koster.

O filme mostra a obstinação de um atleta que poderia fazer o mais fácil e abandonar a carreira ainda como recordista do Ironman. Tim queria mais vitórias e um novo recorde. Fixou uma meta maluca, algo entre o improvável e o impossível: em abril de 2018, apenas seis meses após o acidente, queria correr a Maratona de Boston e ainda terminar abaixo das 3h.

O documentário conta a história do dia do acidente até o dia da Maratona de Boston. Para dar uma dose a mais de drama, uma frente fria quase cancelou a Maratona de Boston. Com frio, chuva, sofrimento, as performances de atletas da elite e amadores foram derrubadas na prova. E Tim? Bem, um único spoiler: não perca de vista que ele tem o dom de sofrer. Terminou a prova em 2h49min, onze minutos melhor do que a meta.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.