Descrição de chapéu Futebol Internacional

Times ricos dominam suas ligas na Europa

Cofres cheios estão ligados à hegemonia de equipes como Bayern de Munique e Juventus

Luís André Rosa
São Paulo

Quando decidiu trocar o Real Madrid, onde havia sido três vezes consecutivas vencedor da Champions League, pela Juventus, Cristiano Ronaldo se gabou: deixava a zona de conforto em nome de um novo desafio. Além de muito dinheiro, claro. Apenas sua contratação, custou cerca de R$ 430 milhões ao seu novo time. Ele até convidou o rival Lionel Messi a largar o Barcelona e fazer o mesmo.

A afirmação causou estranheza em outros jogadores. Porque a liga italiana não costuma ser esse desafio todo para a Juventus. Ronaldo chegou com a equipe dona do título de campeã nacional. Um ano depois, continua sendo. São oito seguidos.

A Juventus faz parte de um grupo de times europeus que dominam suas ligas. Entram como favoritos a levantar o troféu e costumam confirmar isso em campo. 

Está no nível de Bate Borisov (Belarus), Celtic (Escócia), Bayern de Munique (Alemanha), Ludogorets Razgrad (Bulgária), Apoel (Chipre), Red Bull Salzburg (Áustria), Qarabag (Azerbaijão) e The New Saints (País de Gales).

O Bayern confirmou o título alemão neste sábado (18) após uma vitória contra o Eintracht Frankfurt. O time domina o Campeonato Alemão e é o maior campeão do país, com 29 títulos. A última temporada em que não venceu foi em 2013, quando terminou atrás do Borussia Dortmund. 

Em parte isso se explica pelo poderio financeiro do time. Segundo o estudo global da consultora financeira Deloitte, que analisa as receitas dos clubes mais ricos do mundo, o Bayern é o quarto que mais arrecada no futebol. No o ano passado, o time conseguiu 629 milhões de euros (R$ 2,81 bilhões).

“Quando não vencemos, ninguém diz ‘você é um grande jogador por ter deixado a liga interessante’. Ao contrário, nós somos criticados. Com isso em mente, queremos deixar a liga o mais chata possível”, rebateu o atacante Thomas Muller, do Bayern.

As cinco principais ligas europeias (Alemanha, Inglaterra, Espanha, Itália e França) tiveram nesta temporada o mesmo campeão do ano passado. Além de Bayern e Juventus, o Manchester City venceu a Premier League, o Barcelona levantou a taça do Campeonato Espanhol e o PSG confirmou seu favoritismo no torneio francês. 

Mas o domínio delas ainda não se compara ao do Bate Borisov. 

Neste ano, a equipe de Belarus pode chegar aos 14 títulos nacionais em sequência. Igualaria o recorde continental do Lincoln, de Gibraltar (2003 a 2016) e do Skonko, da Letônia (1991 a 2004). 

Pelo menos o Bate Borisov se preocupa apenas com sua liga local. Para Juventus e Bayern, o buraco é mais embaixo. O título nacional não basta. O sonho é ganhar a Champions League, objetivo que tem escapado aos dois times.

O Bayern não vence o torneio europeu desde 2013. A Juventus, pior ainda. A última conquista foi em 1996.
Foi por causa desse objetivo a italiana Juventus investiu pesado em Cristiano Ronaldo. Para a próxima temporada, que começa em agosto, os acionistas do Bayern aprovaram um orçamento no valor de 200 milhões de euros (R$ 897 milhões) só para renovar o elenco.

Os dois times não querem se transformar no Celtic. Mas é pouco provável que isso ocorra. O clube escocês obteve na semana passada o oitavo título nacional em sequência, sem a presença de brasileiros em seu elenco.

Uma força europeia no passado e campeão da Copa da Europa em 1967 (como se chamava a Champions League antes de 1992), a equipe se tornou periférica no cenário continental. 

O domínio local acontece também pela queda do Rangers, seu maior rival. O clube faliu em 2012, foi refundado e recomeçou na 4ª divisão.

No Reino Unido, a hegemonia do Celtic só pode ser comparada a do The New Saints, de País de Gales. Com elenco profissional em uma liga quase amadora, o time foi campeão neste ano pela oitava vez consecutiva. 

No Chipre, o Apoel tem jogadores brasileiros no elenco. O clube ganhou as sete últimas edições da liga nacional. O zagueiro Carlos Roberto da Cruz Júnior, o Carlão, 33 anos, está há cinco anos no país.

“O fato de ter disputado campeonatos como Champions League e Europa League  fez com que o clube obtivesse grande vantagem econômica sobre os outros do país. 

Isso, somado ao fato de ter a oportunidade de jogar estes campeonatos, atraiu jogadores com muita qualidade”, disse o jogador, que foi descoberto na base do Corinthians.

É o mesmo predomínio econômico que o empresário bilionário Kiril Domuschiev, dono de uma fortuna estimada em 500 milhões de euros (R$ 2,24 bilhões), deu ao Ludogorets Razgrad, da Bulgária, campeão nos últimos sete torneios. A três rodadas para o término desta edição, o clube pode ganhar pela oitava vez a competição. 

Em 2005, a empresa de bebidas Red Bull comprou o Austria Salzburg e criou o Red Bull Salzburg. O clube tinha apenas três títulos —após a mudança, tornou-se a maior força austríaca e conquistou 13 troféus. O mesmo ocorre com Qarabak, do Azerbaijão. Comandado pelo empresário Tahir Gözel, 47, um dos mais ricos do país, ele vem sendo campeão nacional desde 2014.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.