Descrição de chapéu Copa América

Greve no dia da estreia preocupa organização da Copa América

Apenas dois chefes de estado confirmam presença na abertura, em São Paulo

Carlos Petrocilo
São Paulo

O anúncio de uma greve geral no dia da estreia da Copa América deixou em alerta o Comitê Organizador Local (COL) da Copa América. O setor de segurança da entidade monitora as ações para saber se de fato terá paralisação e o tamanho dela.

Com essa possibilidade, Agberto Guimarães, diretor-geral do comitê, pediu para que torcedores se desloquem para o estádio do Morumbi o quanto antes.

“Os portões, em todos os estádios, serão abertos com quatro horas de antecedência”, afirmou Guimarães por duas vezes durante entrevista coletiva na manhã desta quarta (12).

O jogo entre Brasil e Bolívia na sexta, às 21h30, abrirá a competição. Para esse dia, centrais sindicais de todo o País convocam trabalhadores de diversas categorias para uma paralisação geral.

“Nossas áreas de operação e segurança estão trabalhando em parceria com autoridades locais. As ações precisam ser tomadas pelas entidades governamentais, não temos autoridades para impedir nada disso”, disse Guimarães.

Os portões do Morumbi estarão abertos às 17h30. A cerimônia de abertura deverá ter início às 21h10. Serão dez minutos de apresentação, com o show do cantor brasileiro Léo Santana e a colombiana Karol G. Segundo o diretor da atração Edson Edermann, a cerimônia terá mais de 400 pessoas e 100 músicos pelo 7,1 mil metros quadrados do gramado. 

A Copa América contra com 12 equipes participantes. O presidente Jair Bolsonaro e o emir do Qatar, Tamim bin Hamad al Thani, foram os únicos chefes de estado que confirmaram presença no evento desta sexta.

“Estamos esperando outras confirmações, o que deverá ocorrer ainda hoje [quarta] e amanhã [quinta]”, disse Thiago Januzzi, gerente de competições do comitê organizador.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.