Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Daniel Alves estreia com muitas funções no time do São Paulo

Lateral vai atuar no meio de campo e terá a missão de comandar a equipe contra o Ceará, no Morumbi

Daniel Alves durante sua apresentação oficial, no Morumbi
Daniel Alves durante sua apresentação oficial, no Morumbi - Rubens Cavallari-6.ago.19/Folhapress
Bruno Rodrigues Toni Assis
São Paulo

Após reunir mais de 40 mil pessoas no Morumbi em sua apresentação, Daniel Alves estreia pelo São Paulo neste domingo (18), às 16h, no Morumbi, contra o Ceará.

Aos 36 anos, ele é o jogador com mais títulos oficiais na história do futebol (40). Tamanha visibilidade faz o lateral direito ser rodeado por expectativas e também responsabilidades.

A última parcial de ingressos divulgada pela diretoria do clube, na quarta (14), era de 39 mil bilhetes vendidos

Capitão do Brasil na conquista da Copa América deste ano, ele leva ao São Paulo a responsabilidade de liderar uma equipe que não levanta um troféu há sete anos.

O último foi a Copa Sul-Americana de 2012, contra o Tigre (ARG), no Morumbi.

Entre as expectativas criadas pela contratação de Daniel Alves, estão benefícios dentro e fora do campo. Além de reforçar o time com a qualidade técnica, a diretoria prevê ainda públicos mais expressivos para ajudar a turbinar o que resta da temporada do clube

Consagrado na lateral, Daniel Alves inicia a sua passagem no São Paulo no meio-campo. No entanto, essa situação não é novidade na sua carreira.

No Barcelona (ESP), entre 2008 e 2016, atuou praticamente como um ponta, função permitida pela troca promovida por Pep Guardiola, que levou Messi da direita para o meio. Dessa forma, o brasileiro passou a ocupar o espaço do camisa 10 pela direita do ataque

Na Juventus (ITA), em esquema consolido por linha de 3 zagueiros, jogou como ala, com liberdade para se juntar ao ataque. Foi assim que ajudou o time a chegar à final da Champions League de 2017, contra o Real Madrid (ESP).

Sob o comando do alemão Thomas Tuchel no Paris Saint-Germain (FRA) ganhou liberdade para se movimentar.

“O bom condicionamento que ele tem, aliado à experiência, o torna mais útil jogando no meio. Além de participar mais do jogo, facilita também a comunicação. Na lateral você fica muito distante do resto da equipe”, afirma Evaristo de Macedo, técnico que lhe deu a primeira chance no profissional, no Bahia, em 2001.

Com a presença de Daniel Alves, Cuca espera acabar com uma das suas principais queixas no São Paulo: a variação de intensidade que o time apresenta durante as partidas.

Espera-se que o estreante deste domingo melhore a marcação da equipe e determine os momentos em que pode aumentar a pressão ou ajustar o posicionamento.

Nos treinos da última semana, Cuca fez seguidas atividades com bola para entrosar não só Daniel Alves, mas também o espanhol Juanfran com o restante do elenco. Trabalhando em campo reduzido, ele forçou a movimentação dos atletas.

Nos treinos da última semana, o lateral mostrou estar bem fisicamente. Sem Hernanes, que sofreu lesão na coxa e deve ficar fora por um mês, Daniel terá a missão de ser o principal armador.

“O Dani treinava como jogava e agia da mesma forma toda a semana”, lembra Javier Chevantón, 39, uruguaio que atuou com o brasileiro no Sevilla. “Mesmo com a intensidade que jogava, treinava no dia seguinte com aqueles que não tinham entrado em campo no dia anterior.”

Na seleção brasileira, o jogador que vai usar a camisa 10 no São Paulo também experimentou o papel de meia. 

“Tanto ele como o [lateral direito] Maicon eram muito ofensivos. Pela sua qualidade, ele podia atuar tanto avançado, como na construção de jogadas. Dependendo do esquema que o Cuca utilizar, ele pode muito bem jogar como um segundo volante pela direita e ajudar a armar o time por ali”, complementou Jorginho, que trabalhou com o Daniel Alves quando foi auxiliar de Dunga na seleção.

Ele cita como exemplo a final da Copa América de 2007, quando o reforço são-paulino entrou no lugar de Elano contra a Argentina e deu outro dinamismo à equipe. Ele fez um gol e deu passe para outro na vitória brasileira por 3 a 0.

O discurso é que o reforço já está entrosado no São Paulo, apesar do pouco tempo no clube. Sua apresentação oficial aconteceu no último dia 6. 

“É importante [estar ao lado de um jogador como Daniel] porque ele é da minha posição e vai aumentar em muito o nosso patamar”, disse Igor Vinicius .

Na última semana, Cuca fez testes para imaginar onde pode escalar o reforço. Chegou a testá-lo na ala, sua posição de origem, apesar de saber que o escalaria no meio-campo diante do Ceará. 

Para quem chegou ao clube enfatizando a identificação com o São Paulo por ser o seu time de infância, Daniel sabe que terá como missão fazer a equipe ascender na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, o torneio que resta nesta temporada. 

“O São Paulo contratou um torcedor. Sonhei muito com esse momento e esse momento chegou. Só espero poder retribuir muito toda essa confiança”, afirmou.

Uma das razões divulgadas da sua aquisição pelo clube do Morumbi é ele ter escolhido voltar ao Brasil apesar de ter propostas de grandes clubes para continuar na Europa, onde estava desde 2002, quando foi comprado pelo Sevilla.

Em diferentes funções, a  missão de Daniel Alves é melhorar os resultados do São Paulo no Campeonato Brasileiro. Isso a partir deste domingo à tarde, contra o Ceará, possivelmente em um Morumbi lotado. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.