CBF tenta corrigir falhas e entregar rodada completa da Série A

Corinthians corta 2 atletas com testes positivos, mas deve estrear, assim como o Palmeiras

São Paulo

Ao fim da primeira rodada do Campeonato Brasileiro, 13 times têm zero ponto. Isso seria uma impossibilidade matemática com dez partidas disputadas, como estava agendado inicialmente, mas o fim de semana de abertura da competição ficou longe de seguir a programação original.

Três jogos tiveram que ser adiados por causa das decisões do Campeonato Baiano e do Campeonato Paulista. No domingo (9), com o São Paulo em campo no estádio Serrinha para enfrentar o Goiás, o duelo foi suspenso de última hora após o time goiano ter descoberto horas antes que dez atletas tiveram teste positivo para o coronavírus.

Como houve uma falha técnica na coleta das primeiras amostras dos atletas do Goiás, feita por um laboratório parceiro do Hospital Albert Einstein em Goiânia, um novo procedimento foi necessário, e os resultados só saíram no dia do jogo –fora do prazo estipulado de 24 horas prévias à partida.

O começo atrapalhado do campeonato escancarou incertezas sobre a viabilidade da disputa nacional num país que não controlou a pandemia e a eficácia dos protocolos estabelecidos pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para tentar mitigar o contágio.

O Brasileiro inicia nesta quarta-feira (12) a sua segunda rodada, com a expectativa de completá-la na quinta (13). Botafogo, Bahia, Palmeiras, Vasco, Corinthians, Atlético-GO, Goiás e São Paulo esperam fazer as suas estreias, mas, como ficou claro no fim de semana, só será possível ter certeza disso quando a bola rolar.

O Corinthians informou nesta terça que retirou dois jogadores do grupo que viajou para enfrentar o Atlético-MG porque tiveram exames positivos: o zagueiro titular Gil e o atacante Léo Natel.

O Atlético-GO, cujos exames identificaram quatro atletas com Covid-19, conseguiu um recurso para escalá-los diante do Flamengo. O argumento do clube, aceito pela CBF, é o de que esses jogadores cumpriram o protocolo de quarentena e, por estarem em reta final do quadro de contaminação, não têm potencial de transmissão da doença.

Após a situação vivida em Goiânia no domingo, a CBF anunciou ajustes em suas determinações e deu aos clubes a opção de realizar a testagem dos elencos pelo hospital paulistano Albert Einstein ou por laboratórios locais, desde que portadores de um selo de acreditação.

Os resultados precisam ser enviados à confederação 24 horas antes do jogo, no caso do time mandante, e 12 horas antes da viagem, para os visitantes.

Foi definida ainda uma ampliação no grupo de atletas submetidos aos exames. Todos os jogadores inscritos no campeonato, não apenas aqueles relacionados para as partidas, deverão passar pelo teste, com 72 horas de antecedência.

Assim, em caso de contaminação, é maior a chance de haver substitutos aptos. Essa alteração entrará em vigor na terceira rodada.

A expectativa da CBF é que as mudanças no procedimento pelo menos evitem novos adiamentos de jogos em cima da hora, que criam dificuldades adicionais num calendário já sobrecarregado.

De qualquer maneira, a situação preocupa, especialmente no aspecto da saúde dos profissionais envolvidos em viagens por todo o território brasileiro. Algo reforçado por episódios problemáticos registrados também nas divisões inferiores.

No sábado (8), pela Série B, o CSA enfrentou –e venceu– o Guarani sem nove jogadores, que tiveram resultados positivos para Covid-19 na véspera. Nesta terça, com a confimação de mais nove casos no elenco, o time alagoano teve adiado seu jogo de quarta, diante da Chapecoense.

A CBF não tem um critério definido sobre em quais situações uma partida deverá ser suspensa, por exemplo um número específico de jogadores contaminados.

Pela Série C, o embate entre Treze e Imperatriz, que ocorreria no domingo (9), foi adiado porque 12 dos 19 atletas inscritos pelo Imperatriz receberam diagnóstico positivo.

Nesse cenário, o Campeonato Brasileiro vai adiante com incertezas. O Goiás, com desfalque de 12 atletas após os testes desta terça, fretou voo para Curitiba e deverá fazer a sua estreia diante do Athletico.

O presidente do clube, Marcelo Almeida, havia informado à CBF que o time só embarcaria após a chegada dos resultados. Havia o receio de uma proliferação da doença, porque todo o elenco, inclusive os diagnosticados com ela no domingo, estavam concentrados desde sábado (8).

São Paulo é avisado, no gramado, que o jogo com o Goiás estava suspenso - Heber Gomes 9.ago.2019/AGIF

A competição em meio à pandemia também afeta os cofres dos clubes. “Vamos fretar um voo por prevenção e ter um gasto de até R$ 120 mil. É praticamente o dobro do preço de um voo comercial”, diz Almeida.

O Goiás, assim como quase todos times da Série A, recebe uma verba de logística de aproximadamente R$ 1,3 milhão para utilizar durante os 19 jogos realizados fora de casa. Esse valor é repassado aos clubes pela Sport Promotion, que tem contrato com a CBF para exploração das placas de publicidades nos estádios do Campeonato Brasileiro.

A CBF pretende analisar caso a caso a necessidade de fretar um voo —considerando distâncias e dificuldades com conexões— e, a partir daí, fazer repasses para ajudar a cobrir os gastos.

Se não houver novos imprevistos, o trio paulistano de times da Série A fará suas estreias no campeonato neste meio de semana.

Animado pela conquista do Campeonato Paulista, o Palmeiras enfrentará o Fluminense, no Maracanã, no Rio de Janeiro, às 21h30 desta quarta. O confronto terá transmissão da TV Globo. Felipe Melo, que fez tratamento intensivo para jogar a final do Estadual, volta a ficar afastado para tratar dores na coxa.

Pouco antes, às 19h15, com exibição no Premiere, o Corinthians tentará deixar para trás a derrota para o arquirrival na decisão estadual. Seu primeiro compromisso é uma visita ao Atlético-MG, no Mineirão, em Belo Horizonte. O time de Jorge Sampaoli começou com vitória sobre o atual campeão Flamengo. Fagner não joga devido a um inchaço no tornozelo.

Na quinta, será a vez de o São Paulo entrar em campo pela segunda vez e jogar pela primeira. Às 19h15, o time tricolor receberá o Fortaleza no Morumbi, outra partida transmitida pelo Premiere.

Após muito tempo, Rogério Ceni, atual técnico do Fortaleza, não será aplaudido pelos torcedores tricolores em um duelo no Morumbi. Como todos os embates no Nacional, ao menos neste momento da pandemia, não haverá presença de público.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.