Polonesa Swiatek vence Roland Garros de forma dominante aos 19 anos

Jovem tenista é a primeira do seu país a conquistar um Grand Slam em simples

São Paulo

O tênis tem uma nova campeã de Grand Slam. A revelação polonesa Iga Swiatek, 19, venceu neste sábado (10) a americana Sofia Kenin, 21, na decisão de Roland Garros, por 2 sets a 0 (6/4 e 6/1).

No confronto entre as duas jovens atletas, quem conseguiu mostrar mais concentração e se manter firme na partida foi Swiatek (a campeã mais nova do torneio desde Monica Seles em 1992), que disputava a sua primeira decisão de um campeonato desse nível e nunca havia vencido nenhum evento na elite profissional.

Ela se tornou assim a primeira tenista da Polônia a ganhar um Slam na chave de simples e confirmou uma tendência do circuito feminino de ter novas vencedoras desses torneios em profusão.

Nos últimos cinco anos, 11 jogadoras obtiveram uma conquista inédita nos quatro principais eventos do esporte. Nenhum palco parece tão adequado para isso quanto o saibro de Paris.

As últimas cinco edições de Roland Garros coroaram cinco novas campeãs: a espanhola Garbiñe Muguruza, a letã Jelena Ostapenko, a romena Simona Halep, a australiana Ashleigh Barty e Iga Swiatek.

"O tênis feminino de hoje é uma loucura. Mas é incrível. Há dois anos ganhei um Grand Slam júnior [Wimbledon] e hoje estou aqui. É muito pouco tempo", afirmou a polonesa, visivelmente emocionada.

Iga Swiatek com o troféu de campeã de Roland Garros
Iga Swiatek com o troféu de campeã de Roland Garros - Charles Platiau/Reuters

Neste sábado, Kenin, vencedora do Australian Open em 2020 e sexta colocada do ranking (voltará à quarta posição), passou longe de ter um grande dia. Além de não apresentar resistência aos golpes limpos, potentes e com muita variação da polonesa, sofreu com dores na coxa esquerda e chegou a pedir atendimento médico no início do segundo set.

Swiatek, que entrou no torneio como 54ª colocada do ranking (alcançará o top 20 na próxima semana, na 17ª posição) e portanto estava longe de ser uma das favoritas ao título, soube conduzir bem sua vantagem e fechar a partida em 1 hora e 24 minutos. Da mesma forma como fez nas outras seis vitórias em Paris, não perdeu set.

A trajetória teve só 28 games cedidos em sete confrontos (menor número desde os 20 de Steffi Graf em 1988) e placares surpreendentes, o principal deles nas oitavas de final, quando bateu a tenista mais cotada ao título, Simona Halep, por 6/1 e 6/2.

"Eu estava mentalmente forte. Tentei jogar de forma agressiva, como nos jogos anteriores. Mas hoje eu estava muito estressada e não sei como ganhei, só queria manter o foco. Espero que a lesão dela não seja muito grave", disse a campeã sobre Kenin, com as duas chorando ao fim da partida.

As três vencedoras dos Slams disputados neste ano são jovens atletas. Além de Kenin (Australian Open) e Swiatek (Roland Garros), Naomi Osaka, 22, ganhadora do US Open há um mês e amiga da polonesa, faz parte desse grupo. Wimbledon teve sua edição cancelada devido à pandemia de coronavírus.

Com AFP

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.