Congresso derruba veto de Bolsonaro, e clubes ganham tempo para pagar dívida com governo

Votação determina que parcelas do Profut a serem quitadas durante a pandemia estão suspensas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília e São Paulo

​O Congresso Nacional derrubou nesta segunda-feira (19) os vetos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) referentes à suspensão do pagamento das parcelas renegociadas pelos clubes de futebol.

A derrubada do veto na Câmara dos Deputados aconteceu com o voto favorável de 378 deputados e 17 contrários. No Senado, foram 50 votos a favor e seis contra.

O presidente Bolsonaro sancionou em janeiro deste ano legislação com novas normas referentes ao Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), programa que havia sido instituído em 2015 e previa a renegociação de dívidas das agremiações.

Bolsonaro, no entanto, havia vetado os dispositivos da legislação mais recente que suspendiam as parcelas devidas pelos clubes que aderiram ao Profut durante a pandemia do novo coronavírus.

A derrubada desse veto era uma demanda da ANCF (Associação Nacional de Clubes de Futebol), que argumenta que os clubes sofreram com uma grande perda de receita durante a pandemia e por isso tiveram dificuldades para honrar os pagamentos.

"O meu clube e vários outros já receberam avisos que podem ser excluídos do Profut, o que seria algo catastrófico, ainda mais neste momento de Covid. O presidente Jair Bolsonaro disse que editaria outra Medida Provisória para ajudar o futebol no parcelamento das dívidas, mas isso não aconteceu", afirmou Francisco José Battistotti, presidente da ANCF e também mandatário do Avaí.

Com a derrubada do veto, essas parcelas que deixaram de ser pagas serão acrescentadas ao débito total de cada entidade. A legislação não prevê se haverá nova renegociação em relação ao novo montante.

“As parcelas de que trata o caput deste artigo serão incorporadas ao saldo devedor para pagamento nas parcelas vincendas após o período da calamidade pública”, afirma o texto da legislação, agora restabelecido.

O texto da lei também afirma que os recursos que seriam destinados ao pagamento das parcelas suspensas devem ser utilizados pela entidade de prática desportiva para a remuneração de empregados.

O veto restitui a suspensão durante a pandemia e nos 180 dias subsequentes de um artigo da Lei Pelé, que prevê que atletas possam rescindir seus contratos caso o clube deixe de efetuar o recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Para os clubes que pressionaram deputados pela derrubada do veto, a questão era se tornar mais atrativo caso o projeto para transformar as agremiações em sociedades anônimas seja aprovada pelo Congresso Nacional.

"Fica mais fácil atrair investimentos porque as dívidas com o governo estarão parceladas. Sem isso [a derrubada do veto], ninguém ia conseguir dinheiro", completa Battistoti.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.