Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/12/2009 - 08h03

Acusados na Castelo de Areia, membros do TCE-SP querem ver prova

Publicidade

da Folha de S.Paulo

Os conselheiros Eduardo Bittencourt e Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), vão pedir na Justiça cópia do documento apreendido na casa de um executivo da construtora Camargo Corrêa com citação ao nome deles e menção de valores em dólares.

A empresa foi alvo da Operação Castelo de Areia, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, em março deste ano. À época, a polícia apreendeu documentos na casa de quatro diretores da Camargo Corrêa. A planilha com o nome dos conselheiros foi localizada na casa do executivo Pietro Bianchi.

"O absurdo é que todos falam da planilha e citam os nomes de políticos ou de outras pessoas públicas, sempre com valores, mas os principais interessados, as pessoas citadas e seus advogados não têm acesso a nada", diz o advogado Paulo Sérgio Santo André, que defende Bittencourt e vai pedir cópia da planilha ao juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

Segundo reportagem de "O Estado de S. Paulo", a planilha traz nove citações ao TCE paulista, com registros de valores que somam cerca de US$ 1,37 milhão, de supostos repasses feitos de 26 de março a 2 de outubro de 1998. Ainda segundo o texto, há referências às obras das linhas Amarela e Verde do Metrô e aos nomes de Bittencourt e de Marinho.

O tribunal é o órgão responsável por fiscalizar obras, contratos e licitações públicas. "O dr. Bittencourt desconhece completamente tudo isso. Não tem qualquer vínculo com as pessoas da empresa e ele faz parte de um órgão onde as decisões são colegiadas, não individuais", afirmou Santo André.

A assessoria de Marinho informou que o conselheiro desconhece a denúncia e não tem nenhum relacionamento profissional com a construtora ou os executivos. Marinho nega ter recebido valores e disse lamentar o fato de seu nome aparecer em uma lista apócrifa.

Advogados da Camargo Corrêa informaram que a construtora ainda não teve acesso nem ao relatório da Polícia Federal nem à denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, o que dificulta a defesa da empresa. O grupo nega ter cometido qualquer atividade ilícita e alerta que documentos divulgados no início da operação se mostraram, ao final, legais.

Feldman

O secretário de Esportes da cidade de São Paulo e deputado federal licenciado, Walter Feldman (PSDB), cujo nome também apareceu na planilha da construtora como um dos supostos beneficiários de pagamentos, protocolou dois pedidos na Polícia Federal. Feldman pediu para ter acesso a todos os documentos e colocou à disposição dos investigadores o sigilo bancário e fiscal dele.

"Pedi ao diretor-geral, Luiz Fernando Corrêa, que a investigação seja feita e, principalmente, que a conclusão seja divulgada. Jamais participei de qualquer situação assim e quero ter a chance de me defender de uma forma aberta e correta", afirmou o secretário.

Comentários dos leitores
A lei brasileira ante monopolio ou oligopolio proibe o dominio do mercado por grupo economico. Caso se concretize a dominação do mercado pela Camargo Correia os consumidores brasileiros estarão num mato sem cachorro, entregues diretamente ao explorador. Neste caso o explorador como é monopolista vende o produto do preço que quiser, sem oportunizar oportunidade de compra da energia de outra empresa, pois, no caso o monopolista detem uma demanda inflexivel e cativa. Num caso deste o monopolista eleva exorbitantemente o preço da enegia. Os consumidores de São Paulo, no caso da Eletropaulo, podem propor na justiça ação contra este ato corrupto do agente estatal, impedindo a concretização do negocio. O povo brasileiro está sofendo até hoje a irreponsabilidade do governo FHC quando vendeu/deu as companhias telefonicas para os oligopolista que hoje exploram a nação. O preço dos serviços telefonicos no Brasil são os piores e os mais caros do mundo civilizado. sem opinião
avalie fechar
Igor Bevilaqua (854) 31/01/2010 09h44
Igor Bevilaqua (854) 31/01/2010 09h44
Está claramente explicado o "PORQUE DAS INVESTIGAÇÕES DA CAMARGO CORRÊA NÃO IREM ADIANTE"..., ela tem total apoio do "GOVERNO" e como consequência do "stf, stj, cnj e etc"..., tudo isso fede a merd@#$% ou "IMPUNIDADE"..., obras superfaturadas continuarão a serem projetadas e gordas propinas continuarão a ser pagas..., e o dinheiro do contribuinte, continuará a ir para os bolsos, meias, ternos, bolsas, cuecas e contas no exterior em paraísos fiscais..., e o Lulinha continuará comprando cada vez mais "FAZENDAS"..., esse é o (B)brasil, um país aonde a justiça encherga muito bem e distingue "Pobres e Ricos"..., o ladrão pobre continuará indo para a cadeia..., e, o ladrão rico continuará a roubar com proteção da "JUSTIÇA"..., principalmente gilmar mendes, seus asseclas e o "stf"..., está explicado também o porque "SIM" das "NOMEAÇÕES" e o "NÃO", para "MINISTROS CONCURSADOS"..., é mais fácil manipular ministros encabrestados. sem opinião
avalie fechar
jackson cunha (2) 26/01/2010 22h20
jackson cunha (2) 26/01/2010 22h20
A justiça no Brasil faz de tudo para que a gente se envergonhe de ser brasileiros.Voce tem todas as provas que comprovam as falcatruas, e de repente invalida-se o processo com argumentos fajutos.É a força da grana, meus caros. sem opinião
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (480)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página