Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/05/2009 - 08h21

Noz-moscada acentua sabor dos alimentos; veja receita

Publicidade

ANA PAULA BONI
da Folha de S.Paulo

Maria do Carmo/Folha Imagem
Prepare receita de sopa de noz-moscada e cebola, do restaurante Lola Bistrot, em SP
Prepare receita de sopa de noz-moscada e cebola, do restaurante Lola Bistrot, em SP

A noz-moscada, especiaria de uso diverso tanto em pratos doces quanto em salgados, pode causar alucinações, se ingerida em grandes quantidades. Isso não chega a ser, no entanto, motivo de preocupação na culinária. Para haver efeito alucinógeno, são necessárias pelo menos duas colheres de chá do condimento em uma só porção, enquanto o comum é utilizá-lo em pitadas.

"É impossível consumir duas colheres de chá da noz-moscada em uma porção na culinária", diz Patrícia Fontana, chef do Grande Hotel São Pedro, hotel-escola do Senac. Segundo ela, meia colher de café da especiaria moída em um preparo que sirva quatro pessoas já é o suficiente para seu sabor começar a se sobrepor ao dos outros ingredientes.

Em pequenas quantidades, a noz-moscada atua como flavorizante natural, acentuando características (cor, sabor, textura) dos alimentos que a acompanham, afirma Durval Ribas Filho, presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia). Além disso, segundo o nutrólogo, ela tem funções digestiva e anti-inflamatória, auxiliando no combate à halitose e à infecção intestinal.

A especiaria possui também, diz Ribas Filho, uma substância capaz de estimular o sistema nervoso central. Essa substância, a miristicina, é responsável por inibir uma enzima que inativa neurotransmissores. "Na quantidade que comemos, ela também é boa para combater inapetência e astenia [fraqueza]. Tem uma leve atividade antidepressiva. Em demasia, de duas a três colheres de chá, porém, pode causar taquicardia, dor de cabeça e alucinações."

Como suas propriedades se perdem facilmente, diz Patrícia Fontana, a noz-moscada deve ser moída apenas no momento em que for usada, de preferência na finalização dos pratos.
Originária das ilhas Molucas, na Indonésia, a especiaria já era conhecida na Europa por volta do século 12, segundo a enciclopédia "The Penguin Companion to Food", de Alan Davidson. Depois de séculos de monopólios português e holandês nas ilhas Molucas, ela se espalhou pelo mundo após uma expedição francesa ter levado mudas do local, em 1770.

Os ingleses a levaram para Granada, no Caribe, então sua possessão e hoje um dos maiores produtores mundiais. No Brasil, o cultivo se dá no sul da Bahia e no Pará, para consumo interno, diz o engenheiro agrônomo Gilberto Fraife, fiscal do Ministério da Agricultura.

Prepare um sopa de cebola e noz-moscada

Rendimento: 4 pessoas

Ingredientes

- 6 colheres (sopa) de azeite
- 1 colher (café) de noz-moscada
- 1 colher (café) de sal marinho
- 1 dente de alho
- 1 nabo picado em cubos
- 10 cebolas médias (1kg)
- 5 tomates italianos sem pele
- 1 colher (sopa) de manteiga
- Alecrim a gosto
- Gersal (tempero pronto de gergelim com sal)
- Salsa fresca

Passo a passo

1 - Refogue o alho e a cebola em tirinhas no azeite até que ela fique transparente.

2 - Acrescente o alecrim, os tomates, a noz-moscada e o nabo. Refogue mais um pouco para o tomate soltar sua água.

3 - Acrescente a manteiga e 1 litro de água fervente. Deixe cozinhar até todos os ingredientes ficarem macios, mas sem desmanchar.

4 - Bata uma parte no mixer ou no liquidificador e volte para a mistura.

5 - Na hora de servir, finalize com uma pitada de gersal e salsa fresca picada.

Receita da chef Daniela França Pinto, do restaurante Lola Bistrot. Tel.: 0/xx/11/3812-3009.

Comentários dos leitores

Ainda não existem comentários nesta notícia. Seja o primeiro a comentar.

Comente esta reportagem Veja todos os comentários (0)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página