Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/03/2004 - 03h57

Memória: O último de uma época

Publicidade

DANUZA LEÃO
colunista da Folha

Jorginho Guinle nunca soube o valor do dinheiro: ele só sabia gastar. Dois dias depois de ter passado a noite com a deslumbrante atriz Hedy Lamarr, considerada então a mulher mais bonita de Hollywood, recebeu dela uma cartinha dizendo que gostaria muito de ter, como recordação dos maravilhosos momentos que passaram juntos, um desenho de Picasso à venda numa determinada galeria.

O preço era US$ 70 mil -- isso nos anos 40 --, e ele achou tão normal que pediu o dinheiro emprestado a um primo para poder comprar. Esse primo não emprestou, disse que ele estava louco, e Jorginho então mandou uma cartinha de volta dizendo que não havia comprado porque ela valia muito mais que isso.

Durante muitos e muitos anos sua vida foi dedicada a frequentar todas as festas no Rio, Hollywood, Nova York, Paris, e a conquistar todas as mulheres que pudesse. Sua preferência eram as atrizes de cinema, mas sua primeira mulher, Dolores, talvez tenha sido a mais bonita de todas elas. Bonita, não: deslumbrante -- e altíssima.

Baixinho, Jorginho não estava nem aí: usava uns sapatos feitos especialmente para ele, que tinha um salto interno com o qual ele ganhava uns 8 centímetros. Continuava mais baixo do que suas namoradas, mas um pouquinho menos.

Jorginho era um profundo conhecedor de música americana; sua coleção de discos era famosa, e quando ia a Nova York, dividia seu tempo entre as festas e os clubes de jazz. Além disso, estudava filosofia, mas não contava isso para quase ninguém. Era uma ótima companhia: leve, bem educadíssimo e sempre muito bem humorado.

Mesmo depois que perdeu tudo --e foi tudo mes-mo, não sobrou absolutamente nada-- ele mudou. Nunca se queixou da vida com ninguém, e nunca deve ter entendido direito essa coisa estranha que é o dinheiro um dia acabar.

Esqueceram de ensinar a ele que isso às vezes acontece.

Nos últimos anos ele mudou de casa algumas vezes: morou com uma filha, com uma amiga, e corria o boato que um seu velho amigo lhe dava uma pequena mesada para seus também pequenos gastos. Alguns bons restaurantes da cidade não cobravam suas contas, em nome dos velhos tempos, e por isso Jorginho, sempre elegante, só os frequentava sozinho e muito raramente.

Nos seus 88 anos de vida Jorginho nunca trabalhou um dia sequer; ele nem imaginava o que era isso. Mas que ninguém ouse pensar que a falta de dinheiro em algum momento modificou o velho playboy no que ele levava mais a sério: a conquista das mulheres. Sempre com um risinho maroto, uma conversinha mole, quando elas viam, já era.

Em relação a elas, ele só tinha uma exigência: que fossem muito bonitas. Estou pensando e não lembro de ter visto, jamais, Jorginho acompanhado de uma mulher feia --ou baixa.

Ele foi o último de um tempo que se acabou para sempre e morreu onde passou grande parte de sua vida: no Copacabana Palace, que, aliás, pertenceu a seu tio Octavio Guinle.

Leia mais
  • Morre playboy das estrelas Jorge Guinle
  • Guinle foi "Forrest Gump" do jazz
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página