Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/12/2006 - 15h10

Pai de Litvinenko acusa Vladimir Putin de matar seu filho

Publicidade

da Efe, em Londres

Walter Litvinenko, pai do ex-espião russo Alexander Litvinenko, que morreu em 23 de novembro em Londres em conseqüência de radiação por polônio 210, afirma na edição de hoje do jornal britânico "The Independent" que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou o assassinato de seu filho.

Em sua primeira entrevista desde a morte do filho, Litvinenko, que trabalhou como médico nos campos de prisioneiros soviéticos, argumenta que apenas Putin tem a autoridade para determinar um assassinato em território estrangeiro.

"O cínico assassinato do meu filho foi um ato calculado de intimidação", afirma Litvinenko ao jornal.

"Não tenho a menor dúvida de que foi assassinado pelo FSB (sucessor do soviético KGB) e de que a ordem partiu desse ex-espião do KGB, o presidente Putin. Ele é a única pessoa que pode dar essa ordem", acrescenta.

Por outra parte, um ex-parceiro de Alexander Litvinenko assegurou hoje em um programa da "BBC Radio 4" que seu colega pode ter sido envenenado porque tinha informação relevante sobre um alto funcionário do Kremlin.

O também ex-agente Yuri Shvets disse que seu compatriota espionava para uma empresa britânica, que o havia encarregado de obter informação política e comercial sobre a Rússia antes de investir nesse país.

Segundo Shvets, Litvinenko foi assassinado depois que um dossiê que tinha elaborado sobre uma destacada figura do Kremlin chegou às mãos dessa pessoa.

Leia mais
  • Investigação sobre ex-espião russo detecta radiação em Hamburgo
  • Polícia detecta polônio 210 em funcionários de hotel em Londres
  • Reino Unido enterra ex-espião russo em caixão especial

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre a KGB
  • Leia o que já foi publicado sobre Alexander Litvinenko
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página