Mostra lembra trajetória de Angel Vianna, pioneira da dança contemporânea

Bailarina, coreógrafa e educadora é tema de ocupação no Itaú Cultural

Iara Biderman
São Paulo

A entrada da exposição sobre Angel Vianna, no Itaú Cultural, em São Paulo, é uma reprodução da escola da bailarina, coreógrafa e educadora que, nos anos 1970, trouxe a expressão "consciência corporal" para a cena e para a sala de aula.

Na ocupação em sua homenagem, a primeira da temporada 2018 do Itaú Cultural, aberta ao público nesta semana, o espaço expositivo espiralado, fluído e orgânico reproduz os conceitos sobre dança e movimento de Angel.

Os tons são quentes e acolhedores: o piso de madeira, com um linóleo (piso para dança) vermelho no centro, as tiras de tecido também vermelho pendendo do teto, paredes transparentes feitas de tule, a tela de tecido de algodão onde são projetadas imagens da bailarina dançando.

Muitas são atualíssimas: prestes a completar 90 anos, Angel continua atuando em espetáculos. Neste mês, estreou no Rio "O Tempo Não Dá Tempo", com textos de Gregorio Duvivier, Gonçalo Tavares e Oscar Saraiva. Em São Paulo, a montagem estreará em abril, como parte da programação da Ocupação.

Outros dois trabalhos com participação de Angel serão apresentados no Itaú Cultural: "Ferida Sábia", nos dias 1°/3 e 2/3, e o solo "Amanhã É Outro Dia", 3/3 e 4/3.

A bailarina se diz bastante emocionada com o projeto em São Paulo. "Ainda não é a cidade que mais me conhece", comenta ela.

ESCOLA

Nascida em Belo Horizonte, onde iniciou a carreira, ela se mudou para o Rio com o marido, Klauss Vianna (1928-92). Foi ali que fundou a Escola Angel Vianna (hoje faculdade), onde colocou em prática suas ideias pioneiras sobre dança contemporânea.

"O trabalho de Angel está fincado na possibilidade de usar a diversidade corporal, a inclusão. Ela trabalha a partir da sensibilização do corpo, para toda e qualquer pessoa encontrar seu modo próprio de dançar", diz a coreógrafa e bailarina Ana Vitória, que coordena programas de pós-graduação na Faculdade Angel Vianna e é uma das curadoras da ocupação.

A proximidade fez com que tivesse acesso ao acervo privado de Angel. "É a primeira vez que tanta coisa é mostrada ao público. Parte do acervo é inédita até para o povo da dança", diz.

O acervo e outros materiais documentais, como vídeos e livros, estão distribuídos nos três "eixos" da ocupação. "O espaço expositivo abarca todas as frentes de trabalho da Angel: educação, terapias corporais e arte", afirma Ana Vitória.

A pedagogia-performática de Angel poderá ser vivenciada pelo público. No dia 28/4, encerrando a ocupação, ela dará sua "Aula de Papel", em que usa as folhas para sensibilizar os alunos e ajudá-los a criar uma nova escrita corporal.

Exposições

Ocupação Angel Vianna

Espaços Culturais
Grátis.

O espaço cultural homenageia a bailarina, coreógrafa e educadora Angel Vianna, que completa 90 anos em 2018, em sua primeira ocupação do ano. Fotos, documentos, vídeos e até os cadernos usados pela artista para marcar os horários de seus alunos estarão expostos nas paredes do instituto, que também sedia espetáculos de dança encenados pela própria Angel.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.