Descrição de chapéu Crítica series

'3%' supera estilo videogame e melhora apuro visual, cenários e ritmo

Confiança na produção, experiência e provavelmente mais dinheiro fazem diferença

Thales de Menezes
São Paulo

3%

  • Onde Netflix

Se o sucesso da primeira temporada rendeu a "3%" mais dez episódios, disponibilizados agora na Netflix, é tranquilo apostar em uma terceira.

A segunda fornada saiu melhor em diversos aspectos, a exemplo o ritmo da narrativa.

Talvez a equipe tenha aprendido a contar melhor a história em formato longo, de quase dez horas. O segundo ano de "3%" escapa do caráter cíclico da temporada anterior.

Antes, era um tanto repetitiva a sucessão de desafios impostos aos garotos pobres que tentavam mostrar seu valor para viver em Maralto, com a elite da sociedade distópica.

Além de dar ao seriado um jeitão de enredo adaptado de game, essa repetição o aproximava bastante de franquias bem-sucedidas como "Jogos Vorazes" e "Maze Runner".

Agora, Michele (Bianca Comparato) vive no Maralto e ali vai questionar o funcionamento desse tecido social quebrado proposto pelo roteiro. Enquanto isso, a trama segue com desejo de revolta entre os miseráveis, no Continente, e novidades no elenco.

O Processo 105, novo ritual de seleção que se aproxima, ganha ares misteriosos. A Causa, movimento rebelde contrário à peneira social, está definida de maneira mais clara como célula subversiva.

Há mais confiança na produção. Experiência e provavelmente mais dinheiro fazem a diferença. Desde o apuro visual de cenários e figurino até o bom desempenho do elenco.

Menos juvenil, mas ainda bom entretenimento, o segundo ano dá espaço para discutir questões econômicas envoltas na ruptura social entre Maralto e Continente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.