Descrição de chapéu Cinema jornalismo

Filme expõe múltiplas facetas de Tarso de Castro, mas não abre debate crítico

Sedutor, polêmico e trágico, jornalista retratado em documentário morreu em 1991, aos 49 anos

Imagem do documentario   A vida extraordinária de Tarso de Castro
O jornalista Tarso de Castro em imagem de divulgação do documentário - Divulgação
Marcos Augusto Gonçalves
São Paulo

A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro

  • Quando Estreia nesta quinta (24)
  • Classificação 14 anos
  • Produção Brasil, 2017
  • Direção Leo Garcia e Zeca Brito

Veja salas e horários de exibição.

Personagem sedutor, polêmico, empreendedor e trágico, Tarso de Castro viveu menos de 50 anos —morreu em 1991, aos 49, de cirrose hepática.

A vida breve, contudo, foi intensa o bastante para que ele deixasse suas marcas no jornalismo e nas polêmicas culturais e políticas do país. Fundador do lendário O Pasquim, Tarso lançou outras publicações alternativas e também fez história na grande imprensa, quando trabalhou na Folha, em dois momentos, nas décadas de 1970 e 1980.

Foi ele quem criou e editou, em 1977, o suplemento dominical Folhetim, que adotava procedimentos consagrados pelo jornalismo cultural dos anos 1950 e 60 e pela chamada imprensa alternativa daquele período. O caderno marcou época e deu origem a outras versões, como o atual Ilustríssima.

Naquele tempo, quando a atmosfera mais sufocante da ditadura começava a se dissipar, a Folha emergia como um território mais arejado, abrigando nomes (muitos ligados ao Pasquim) como Paulo Francis, Plínio Marcos, Flávio Rangel, Sérgio Augusto e Ruy Castro —ao lado de representantes da nova geração.
O documentário dirigido por Leo Garcia e Zeca Brito tem o mérito de expor as múltiplas facetas do personagem, desde suas origens em Passo Fundo (RS) até suas últimas aventuras.

O filme traz material de época e ouve diversas pessoas que conviveram com Tarso, de colegas de imprensa, como Jaguar, Sérgio Cabral, José Trajano e Luiz Carlos Maciel, a amigos da área cultural, como Paulo César Pereio e Caetano Veloso, que é padrinho de João Vicente, o filho.

Um momento, aliás, a se destacar, é a conversa, tensa e reveladora, entre João e o jornalista Roberto D’Ávila sobre a personalidade exuberante de Tarso e seu impulso de certo modo suicida.

Há boas passagens, outras dispensáveis, cometem-se alguns exageros, como é habitual nesse tipo de documentário, e nem todas as opções dos diretores funcionam muito bem —como a ideia de fazer com que entrevistados falem como se estivessem ao telefone, numa referência à preocupação de Tarso de sempre ter um aparelho a seu alcance.

O aspecto mais criticável, porém, não reside na reconstituição do herói, mas na maneira pueril, fantasiosa e sem contraponto com que trata o processo de mudanças da imprensa brasileira, em particular da Folha, depois do ciclo que se encerra com o fim da ditadura militar. Perdeu-se a oportunidade de abrir um debate mais crítico e menos simplista sobre o que se passou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.