Biblioteca de NY leva clássicos como 'Alice' e 'Metamorfose' ao Instagram

Livros de Lewis Carroll e Kafka se transformam em stories cheias de ilustrações no aplicativo

Danielle Brant
Nova York

O clássico “Aventuras de Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, tem todos os elementos que o credenciam a ser uma obra “instagramável” —cenas dinâmicas, suspense e reviravoltas fazem parte da narrativa.

O potencial não passou batido pela Biblioteca Pública de Nova York, que decidiu que o livro do escritor britânico abriria um projeto criado pela agência de publicidade Mother in New York batizado Insta Novels, romances adaptados ao Instagram.

Sim. Alice virou um story do Instagram. Na verdade, vários stories, que compilam os 12 capítulos da obra, em 174 páginas digitalizadas —177, se forem considerados os últimos stories, em que Alice aparece de costas e nos quais surgem os créditos do projeto.

O clássico de Lewis Carroll, ilustrado pelo artista espanhol Magoz, está disponível no Instagram da biblioteca (@nypl) desde 22 de agosto. A obra foi dividida em duas partes —a primeira termina no capítulo seis.

A leitura é feita como um story comum. Há um tempo em que a página fica congelada antes de passar para a próxima folha. Se clicar à direita da tela, o leitor avança. À esquerda, volta uma página. E ao pressionar a tela, mantém a folha por um período maior que o previsto.

É possível ainda salvar os stories em um arquivo e acessá-los a qualquer momento. Para quem não tem tanta intimidade com a ferramenta, a biblioteca montou um tutorial que dá dicas para a leitura.

Richert Schnorr, diretor de mídias digitais da biblioteca, diz que a agência propôs a ideia em abril. “Sabíamos que era algo de que queríamos participar. Faz parte da nossa missão de tornar a literatura mais acessível. Aí começamos a pensar quais livros usaríamos no projeto”, conta.

Alice é só a primeira etapa do Insta Novels. “Escolhemos porque é um livro de que muitas pessoas gostam, várias querem reler e é facilmente ilustrável”, diz.

O projeto prevê ainda a adaptação de pelo menos mais dois clássicos para a rede social: “O Papel de Parede Amarelo”, de Charlotte Perkins Gilman, será lançado nas primeiras semanas de outubro e “A Metamorfose”, de Franz Kafka, em novembro.

“São três livros que falam de transformações, de uma coisa que se transforma em algo a mais, que é a ideia do projeto, transformar a forma como lidamos com a literatura”, diz Schnorr.

A ideia é também mudar a forma como as pessoas encaram o Instagram, acrescentando os clássicos ao dia a dia. E outro propósito é rever a maneira como as obras são acessadas.

O Insta Novels ajudou a aumentar o número de seguidores da biblioteca no Instagram —são 283 mil, atualmente. “Tem sido fantástico. As respostas são positivas, as pessoas querem ler sobre isso. Funciona como uma porta para a leitura e estimula as pessoas a lerem mais”, afirma.

Depois da publicação dos três livros, o projeto será reavaliado. Os organizadores vão analisar os dados e decidir os próximos passos, conta o diretor de mídias digitais da NYPL. “O objetivo é sempre trazer mais pessoas para a biblioteca”, conta.

Para Corinna Falusi, sócia e diretora criativa da agência Mother in New York, o Instagram criou a prateleira de livros perfeita para esse novo tipo de forma de lidar com romances online. “Temos de promover o valor da leitura, especialmente com as ameaças de hoje ao sistema educacional americano.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.