Roger Waters termina último show no Brasil mais cedo por conta do mau tempo

Chuva impediu apresentação da clássica 'Mother', mas não faltaram protestos políticos em Porto Alegre

Fernanda Wenzel
Porto Alegre

O último show de Roger Waters no Brasil terminou mais cedo por causa do mau tempo. Por volta das 23h desta terça (30), o cantor avisou o público do estádio Beira Rio, em Porto Alegre, que iria pular para a última música em função de um alerta de temporal. 

A chuva, que começou na metade do show, realmente se intensificou, mas não veio acompanhada de ventos fortes.

O imprevisto impediu o ex-integrante da Pink Floyd de cantar a clássica "Mother", durante a qual os dizeres "Ele Não" vinham sendo projetados no telão. Mesmo assim, não faltaram protestos políticos. Mais uma vez, crianças usando túnicas laranjas e capuzes pretos subiram ao palco representado prisioneiros durante o clássico "Another Brick in the Wall". Ao final da música, já sem os capuzes, os jovens tiraram as vestes para apresentar camisetas com a mensagem "resista".

 

Assim como nas outras apresentações pelo Brasil. O público se dividiu. Antes mesmo de o show começar, um grupo de jovens já gritava "Ele não". Um pouco à frente na plateia, três senhores mais velhos reclamavam: "Poxa, a eleição acabou..".

Thiago Faccini, produtor rural de Cruz Alta, trouxe o filho de 13 anos para ver o show. Os dois vieram vestidos com a camiseta do Brasil. 

Faccini disse que esperava ver mais gente da mesma forma: "Se o Roger Waters pôde dar sua mensagem, nós também podemos dar nossa mensagem como brasileiros e eleitores", disse ele, que acredita que o cantor errou ao se manifestar sobre a política brasileira. 

Já a psicanalista Luciana Cezar disse que o show foi uma lição de humanidade e só lamentou que não tenha havido uma menção direta ao nome de Bolsonaro: "Eu esperava que ele pudesse se arriscar mais. Mas eu acho que ele deixou o recado".

Além das tradicionais críticas a Donald Trump, Vladimir Putin e ao primeiro-ministro de Israel Benjamin Nethanyahu, no show em Porto Alegre Roger Waters mirou em Mark Zuckenberg, a quem chamou de censor da internet. No telão, uma mensagem dizia. "Você pode ser nosso brother, ou nosso big brother. Você não pode ser os dois."

A apresentação em Porto Alegre encerra a polêmica passagem no Brasil da turnê Us+Them, depois de passar pelas cidades de São Paulo, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba.

Depois do show na capital gaúcha, Waters seguirá com a turnê Us + Them para Montevidéu, no Uruguai. Depois, vai a Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Lima (Peru), Bogotá (Colômbia) e San José (Costa Rica).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.