Descrição de chapéu
Cinema

Documentário mostra Inezita Barroso como uma feminista intrépida

Em filme de Hélio Goldsztejn, a apresentadora de 'Viola, Minha Viola' jamais é recatada e do lar

Naief Haddad
 

Inezita

  • Classificação 10 anos
  • Produção Brasil, 2018
  • Direção Hélio Goldsztejn

O documentário “Inezita” cumpre bem dois papéis complementares. 

Primeiro, traz com elegância as facetas mais conhecidas de Inezita Barroso (1925-2015), a cantora e a apresentadora do programa “Viola, Minha Viola”, dedicado à música caipira.

Em registros antigos e de boa qualidade, Inezita interpreta de modo sublime “Ronda” (Paulo Vanzolini), “Viola Quebrada” (Ary Kerney e Mário de Andrade), entre outros clássicos da música brasileira.

Dirigido por Hélio Goldsztejn, o documentário também mostra como o carisma e o rigor de Inezita levaram o “Viola, Minha Viola” a se tornar um dos programas mais longevos da televisão brasileira. 

Lançado em 1980 pela TV Cultura, foi apresentado semanalmente até 2015, quando ela morreu. A partir de 2017, teve edições especiais.

Mais interessante, porém, é o outro lado do documentário, que traz a abordagem de aspectos menos conhecidos. 

Inezita foi uma feminista intrépida. Sempre bela, mas jamais recatada e do lar. Filha de uma família quatrocentona de São Paulo, começou a tocar viola em público no começo dos anos 1950, o que era inconcebível para uma mulher.

Foi dela, aliás, a primeira gravação de música caipira por uma cantora, em 1953, com “Marvada Pinga”.

Em 1957, Inezita saiu de São Paulo de jipe e foi até o Nordeste para uma pesquisa sobre expressões culturais a fim de compor uma personagem. Ela faria um filme que acabou não sendo produzido. 

Embora acostumada a viajar sozinha, Inezita tinha acompanhantes nessa jornada, seu cunhado e um ator. Mas era ela quem dirigia o 4x4.

Ainda nessa seara, Goldsztejn mostra a Inezita atriz, que fez sete filmes, entre eles a comédia “Mulher de Verdade” (1954), de Alberto Cavalcanti.

Imagens de arquivos, depoimentos e uma narração contam essas histórias. Há comentários valiosos da própria Inezita e de especialistas na obra dela, como o pesquisador musical Rodrigo Faour, o jornalista Aloisio Milani (produtor do “Viola...”) e o violeiro Paulo Freire.

No entanto, existe uma ostensiva presença familiar. A filha enriquece o documentário com memórias curiosas e divertidas, mas para que tantas netas? Além disso, a narração acaipirada cria uma caricatura. 

O filme dá seus tropeços, como o bêbado de “Marvada Pinga”. Mas logo se levanta. É, enfim, uma bela homenagem a Inezita Barroso. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.