Série mostra como cidades brasileiras foram entregues a elites da construção civil

Inspirada em livro, 'A Cidade no Brasil' percorre a história e os conflitos sociais no urbanismo brasileiro

Imagem da série documental A Cidade no Brasil, da SescTV

Cena da série documental 'A Cidade no Brasil', que estreia no streaming nesta segunda (25) Reprodução

Gustavo Fioratti
São Paulo

Uma cena do filme “Rio, Zona Norte”, em que Grande Otelo está cantando à beira da porta aberta de um trem em movimento, está bem no início da série documental “A Cidade no Brasil” (1950), que a SescTV leva ao streaming nesta segunda (25). 

Logo depois, em um corte seco, a tela nos leva dessa imagem em preto e branco a uma outra, mais recente e em cores: agora, sob a perspectiva de quem está dentro de um trem, o espectador vê a cidade passar lá fora.

Esse tipo de salto temporal e a subjetividade com que o personagem de Grande Otelo nos permite observar a paisagem são elementos que vão ser explorados nos dez episódios dedicados a desvendar um tema imenso. Teria a cidade brasileira uma identidade? Como os municípios se moldaram às relações humanas e elementos geográficos? 

Para o eixo de seu trabalho, a documentarista Isa Grinspum Ferraz toma emprestado o argumento do livro homônimo do antropólogo, poeta e historiador Antonio Risério. 

O livro, de 2012, faz uma digressão histórica para compreender os entraves e as poesias do urbanismo brasileiro. Inédita, a série vai buscar imagens documentais e ficcionais que espelhem o pensamento de Risério. É ele o próprio apresentador do programa.

“Tem um texto do Wim Wenders [cineasta alemão] em que ele diz que o cinema nasceu junto com as cidades, e que você pode contar a história delas junto com o cinema. Foi dessa perspectiva que parti para uma linha de pesquisa”, conta Grinspum.

Para ela, a marca da cidade brasileira é a informalidade, “o planejamento do que nunca resulta no que foi planejado”. 

Há outros acréscimos ao argumento da série. Para além da multiplicidade de imagens de arquivo, intercalam-se depoimentos de arquitetos e urbanistas como Renato Cymbalista, Guilherme Wisnik, Hugo Segawa, Ermínia Maricato, Marta Bogéa. E também de poetas, como Sérgio Vaz, organizador do sarau da cooperifa, na zona sul de São Paulo.

O primeiro episódio analisa a cidade de forma mais ampla, conduzindo o espectador à origem de seu conceito.

 “As pessoas querem estar juntas para quê? A cidade nasce por um valor de uso. As pessoas desejam estar juntas porque isso favorece a produção coletiva. Mas elas extraem do convívio coletivo também coisa intangíveis, da ordem do sensível”, diz Wisnik.

E do convívio nascem os acordos, completa Segawa, partindo para uma definição mais política. A essas primeiras entrevistas, o documentário cola uma série de imagens originais: prédios de fachada de vidro espelhando outros prédios, pedestres que se cruzam em uma passarela sobre o trânsito, emaranhados de fios suspensos. 

Também extrai-se das conversas o caminho do urbanismo por entre os séculos. Na colonização, os portugueses não empregaram os modelos renascentistas, com praças centralizando os poderes, como fizeram os espanhóis. Há elementos das culturas islâmicas herdadas das invasões bárbaras. E há o peso de quatro séculos de escravidão.

Em Salvador, conta Maricato em seu depoimento, foram criadas edificações de três andares que tinham cozinhas no mais alto deles. “Por que no terceiro andar, se você tinha que retirar o lixo, levar água, a madeira?” Ela mesma responde: “Porque tinha escravo pra fazer isso; tudo isso atrasou o desenvolvimento das nossas cidades”, diz.

Ela associa a origem das favelas ao fim mal resolvido da escravidão. A senzala não será mais algo “que fica dentro da casa de um dono”, diz. “Ela agora é urbana. Ela é da cidade, um depósito de gente disponível para trabalhar”.

À Folha, Risério aponta três fases no percurso da história.  Na colonização, surge o traço de uma cidade “promíscua”, com a convivência entre portugueses e indígenas, ou de senhores e escravos. Depois, o barroco se descola da identidade arquitetônica portuguesa, especialmente em Minas. E, por fim, surgem as cidades planejadas, a exemplo de Brasília ou de projetos na Amazônia ainda no século 18. 

Questões étnicas e históricas se desdobram nos primeiros episódios, e, já no sexto, há um olhar para questões mais contemporâneas, especialmente para a força da especulação imobiliária e sua influência nas estruturas urbanas, exemplificada por Wisnik na menção a uma pichação que ele viu: “O urbanista de São Paulo é o capital”.

Fala-se ali da expulsão de populações pobres de áreas de interesse imobiliário, do exílio daninho da elite, nos anos 1980 e 1990, para um subúrbio distante das regiões centrais, onde buscava-se uma reaproximação com a natureza. 

“Sobre as varandas gourmet com churrasqueiras, Jorge Wilheim [urbanista e arquiteto] falava: ‘Fizeram um tipo de empreendimento que não tem nada a ver com o Brasil, mas tem a brasileirice’. Há uma homogeneização de uma arquitetura ruim nos dias de hoje, no país”, afirma Risério. 

“Os arquitetos hoje são muito mais parecidos com os diretores de arte das agências de publicidade do que com o construtor, ou o arquiteto-construtor, grego e romano”.Para ele, “nossos últimos governos entregaram todo o planejamento das cidades à burguesia da construção civil”. Trata-se, em suas palavras, de “um clube pequeno que diz ‘aqui eu vou fazer um shopping, ali um condomínio de luxo, e ali vou fazer um conjunto habitacional popular’”

O antropólogo se entusiasmou com a criação do Ministério das Cidades no governo Lula, “única novidade administrativa do PT”. E, em fase pós-Mensalão, decepcionou-se com a venda de cargos e a troca do ministro Olívio Dutra por um aliado de Severino Cavalcanti (PP), então presidente da Câmara. Para Risério, era a velha política de balcão.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.