Descrição de chapéu
Cinema

'O Gênio e o Louco' envereda para o mais sisudo academismo

Filme demonstra que, sem algum grau de loucura, elaboração de um dicionário é tarefa impossível

Inácio Araujo

O Gênio e o Louco (The Professor and the Madman)

  • Quando Estreia nesta quinta (18)
  • Classificação 14 anos
  • Elenco Mel Gibson, Sean Penn, Jeremy Irvine, Natalie Dormer
  • Produção Irlanda, 2018
  • Direção Farhad Safinia

Veja salas e horários de exibição

Todo cara que tem a audácia de rodar um filme sobre a elaboração de uma enciclopédia ou dicionário, reunindo um grupo de sábios dispostos a levar adiante essa tarefa, devia carregar consigo, o tempo todo, uma cópia de “Bola de Fogo”. Nesse filme de 1941 Howard Hawks mostra exatamente isso: como um grupo de sábios fora do mundo por anos e anos pode ser contaminado e enriquecido pela presença de um elemento exterior.

O que fez o iraniano Farhad Safinia é quase a mesma coisa e seu inverso. Lá está, para começar, o ilustrado James Murray (Mel Gibson), que decide levar adiante, em meados do século 19, a tarefa de liderar a elaboração do hoje célebre Oxford Dictionary. Monstruosa empreitada que consiste a colocar a língua inglesa inteira, a etimologia e o sentido (variável ao longo do tempo) de cada termo.

Ao contrário do prof. Potts de “Bola de Fogo”, todo galã (era Gary Cooper), que encontrará inspiração na bela e marginal Sugarpuss (Barbara Stanwick), aqui o prof. Murray vai encontrar apoio num médico paranoico, atualmente num hospício para alienados, depois de matar um homem que, supostamente, o perseguia. O louco, no caso, chama-se William Minor (Sean Penn), ex-médico do exército durante a Guerra de Secessão (1861-1865) nos EUA e visivelmente vitimado por ela.

 “O Gênio e o Louco” é, antes de tudo, um exercício de “softpower” do Reino Unido (o maior dicionário da língua é britânico). Subsidiariamente, é também um merchandising da versão digital do célebre dicionário. E, por fim, um elogio ambíguo ao mundo dos livros.

Esta última parte é a mais presente na imagem do filme: de repente vemos o prof. Murray com uma pilha de livros e pensamos no quanto era incômodo o universo da imprensa, com seu peso, com aqueles volumes a tomar todo o espaço do mundo etc.

Já o dr.  Minor dispõe de uma cela vazia, onde enlouquece cada vez mais. Ao saber que Murray busca ajuda põe-se a trabalhar para ele. Sua cela vai se encher também de livros e papeluchos. Minor coloca sua loucura à disposição do conhecimento. De certa forma será essa a maneira que encontra de preservar alguma sanidade.

Como se vê, o filme tem tudo para enveredar para o mais sisudo academismo. E não desaponta o espectador desconfiado.

Claro, desenvolve-se ali, para variar, a história de uma amizade entre dois homens distantes socialmente, embora próximos pela insânia (a de Murray sendo metafórica e a de Minor literal). 

E ainda a história de uma busca do perdão. Pois, ao matar o seu suposto perseguidor, Minor deixa a viúva de sua vítima com uma penca de filhos e sem meios para sustentá-los. Quando recupera um mínimo de lucidez ele busca reparar na medida do possível o mal que fez.

Até por ser baseado em personagens que existiram, “O Gênio e o Louco” demonstra que a elaboração de um grande dicionário é tarefa que sem algum grau de loucura não se leva adiante.

Justamente por isso pode-se lamentar que tal loucura  tenha sido enclausurada numa camisa de força formal a que o espectador permanece preso, condenado a se embalar na música meio pernóstica e a apreciar, basicamente, a habilidade dos atores do filme.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.