Descrição de chapéu Livros

Livro de Rita Lee sobre ursa triste tem Brigitte Bardot e Luisa Mell como personagens

'A única bandeira que carrego é a da defesa dos animais', diz cantora

Ivan Finotti
Rio de Janeiro

A vida da ursa mais triste do mundo virou livro infantil. Escrito por Rita Lee e ilustrado por Guilherme Francini, “Amiga Ursa – Uma História Triste, mas com Final Feliz” chega às livrarias nesta terça (25). A noite de autógrafos acontece no mês que vem, em 22 de julho, na livraria Cultura do Conjunto Nacional.

A história real da ursa (possivelmente russa) Marsha, que chegou no Brasil há mais de 20 anos para ser exibida em circos pelo Nordeste, foi contada pela Folha em abril.

mulher com urso
Rita Lee e a ursa Rowena - Guilherme Samora/Divulgação

Em setembro de 2018, ela foi resgatada de avião da FAB de um zoológico no Piauí, onde sofria com a temperatura local e marcava metade de seu peso normal, numa operação capitaneada por Carolina Mourão, presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal. Hoje, Rowena (seu novo nome) vive num santuário animal chamado Rancho dos Gnomos, em Joanópolis (interior de SP), em um recinto custeado pelo Instituto Luisa Mell.

Foi lá que Rita esteve no início deste mês (junho) para dar suco na bocona da ursa de 200 quilos. E uma nova mulher aparece agora nessa história, tanto na real quanto nas páginas do livro de Rita: a francesa Brigitte Bardot, ativista dos direitos animais desde 1962. Confira na entrevista por e-mail com Rita Lee.

Como você ficou sabendo da história de Marsha? Fiquei sabendo da história de Rowena através de Luisa Mell, que me contou das dificuldades que estavam passando para liberá-la. Primeiro, senti raiva por ela estar longe de seu habitat por causa da ganância humana. Depois, comecei a vibrar com orações a São Francisco para que tudo desse certo. Claro que a gente adoraria poder devolvê-la a seu habitat. Como não é possível, ela está sendo muito bem cuidada, bem tratada e já ganhou 100 quilos desde que chegou ao santuário ecológico Rancho dos Gnomos. Aliás, eu estive lá e a estrutura que Rowena tem hoje é impecável. Fica numa região de montanhas e é muito mais fresco, o que é essencial para o bem-estar de um urso!

Nos anos 1990, você já se colocava contra a festa do peão de Barretos, denunciando maus tratos aos touros e cavalos. Como o ativismo surgiu na sua vida? Desde que me conheço por gente, a única bandeira que carrego é a da defesa dos animais contra humanos gananciosos que tratam bichos como objetos de uso pessoal. Sou contra qualquer “evento” que humilhe publicamente animais como circos, vaquejadas, rodeios, farra do boi, rinhas de galos e de cachorros, touradas... Isso sem contar contrabando de animais exóticos, criadores etc... Só pensam em grana, grana, grana e parecem esquecer que estão lidando com vidas.

Em seu livro, a personagem Papisa BiBi entra em contato com você a respeito da ursa. É uma homenagem à Brigitte Bardot ou vocês realmente se conhecem e conversaram sobre esse assunto? Já faz um tempo que la BB e eu mantemos contato direto. Ela se interessou quando lhe contamos sobre ursos siberianos sofrendo aqui no calor do Brasil e nos mandou mensagem de força e coragem.

ilustração com animais
ilustração de Guilherme Francini para o livro Amiga Ursa, de Rita Lee - Divulgação

Luisa Mell também participa da história do livro, na pele da Lulu, certo? Luisa merecia uma estátua em praça pública por esse trabalho que faz em defesa dos animais. Muita gente pensa que aqueles que se dedicam a isso são loucos e desocupados, que deveriam “se preocupar com crianças” quando é justamente sobre isso também: ensinar às novas gerações a respeitarem todos os seres vivos. Luisa é até ameaçada de morte por peitar brigas com os poderosos que lucram abusando dos bichos. Luisa é nossa Bardot tropical.

Sua opinião sobre circos está bem clara na obra, ao escrever “circo legal é sem animal”. E qual é a sua opinião sobre zoológicos?  Há muitos bichos que já nasceram em cativeiro e que não saberiam viver em liberdade, mas há também muitos que foram sequestrados de seu habitat e que não deveriam estar nesses locais, para começo de conversa... No fim, zoológicos são prisões feitas para humanos observarem animais em suas celas. Basta olhar para esses animais para perceber que são tristes e sofrem por estarem presos.
 

O livro é otimista e busca despertar os mais novos para esse problema. Você acredita que, quando seus netos tiverem a sua idade, o mundo estará livre do tráfico e da exibição pública de animais? É inacreditável que, em pleno terceiro milênio, a raça humana ainda não tenha se tocado de que bichos têm sentimentos igual a nós. Está vindo uma leva de crianças índigo e cristal que vai revolucionar a consciência do respeito a todas as formas de vida e que vai entender que a escravidão dos bichos é coisa da Idade Média. Foi para essas crianças que escrevi o livrinho.

 

Amiga Ursa – Uma História Triste, mas com Final Feliz

  • Preço R$ 58 (46 págs.)
  • Autor Rita Lee. Ilustrações: Guilherme Francini
  • Editora Globo
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.