'O Caso Makropulos' faz homenagem à soprano brasileira Eliane Coelho

Ópera de ficção científica do tcheco Leo Janácek está em cartaz em São Paulo

O Caso Makropulos

  • Quando Dom (16), qua. (19) e sex. (21), às 20h; dom. (23), às 17h
  • Onde Theatro São Pedro (r. Barra Funda, 161, São Paulo)
  • Preço R$30 a R$80
  • Classificação Livre

“Não sou um novato, senhorita, mas confesso que o maior depravado não tem tanta experiência em certas coisas como essa mulher”. A frase do barão Jaroslav Prus é dita para a diva Emilia Marty, sem saber que as cartas centenárias encontradas num velho armário haviam sido escritas por ela mesma.

Graças a um elixir que prolongou sua vida ao longo de três séculos, Emilia é apenas a versão repaginada de uma cantora eternamente linda e jovem, que já foi Elina, Ellian, Eugenia, Elsa e Ekaterina, entre outros nomes com a mesma inicial.

Mas, na montagem em cartaz no Theatro São Pedro da ópera “O Caso Makropulos”, do tcheco Leoš Janáček (1854-1928) e assinada em São Paulo por Ira Levin (direção musical) e André Heller-Lopes (concepção e direção cênica), a personagem é também, antes de tudo, Eliane, a soprano brasileira Eliane Coelho.

Concebida com sensibilidade e interação plena com a música, a montagem é uma homenagem sutil e bela a uma das mais importantes cantoras líricas da história brasileira: com presença vocal e cênica arrasadora, a veterana Eliane vive um papel que parece ter sido escrito para ela hoje, neste momento.

Como parte do elenco fixo da ópera de Viena, a carioca interpretou cerca de 140 vezes a personagem título da ópera “Salomé”, de Richard Strauss. Seu retrato figura no museu lírico vienense, próximo às partituras anotadas por Gustav Mahler.

Luz, cenários e figurinos contextualizam o estranhamento da personagem central, e duas referências são introduzidas com delicadeza e inteligência: o filme da bailarina Anna Pavlova dançando “A Morte do Cisne” (de 1925, ano anterior à estreia de “O Caso Makropulos”) e “Crepúsculo dos Deuses” (1950), filme noir de Billy Wilder, cuja referência explícita a Salomé integra brilhantemente Eliane Coelho e Emilia Marty.

O entrosamento rigoroso entre direção cênica e musical —nem sempre comum em nossas montagens— faz com que todos os cantores atuem bem, mas sem destaques especiais nem pontos fora da curva.

A música de Janáček é muito variada, assumindo variadas funções ao longo da trama. Sua partitura é um discurso unificado que funde alturas, durações, intensidades e timbres, no qual as vozes entram como parte da textura. Não há a divisão usual entre árias e recitativos.

A cena se desenvolve com rapidez e fluência, e muita ironia, com a música também imitando estilos, nacionalidades e épocas. Na estreia (14), a orquestra venceu as dificuldades com categoria.

“Ah, não se deve viver tanto! Oh, se vocês soubessem como a sua vida é fácil. Estão tão perto de tudo! Tudo faz sentido para vocês. Tudo tem valor para vocês”, canta no palco a protagonista antes de, enfim, aceitar a sua condição mortal.

Um ano após a estreia da ópera de Janáček, em “Ser e Tempo” (1927), o filósofo Martin Heidegger iria mostrar justamente o inextricável amálgama entre sentido e existência.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.