Fotos de artista que mostram policiais devorando doces são furtadas em Belo Horizonte

Segundo um dos organizadores da exposição, oficiais demonstraram incômodo com trabalhos

Clara Balbi
São Paulo

Oito fotografias da artista e perita criminal Berna Reale foram roubadas na madrugada desta quarta-feira (21). Dispostas ao longo de uma rodovia, ao ar livre, as obras de grandes dimensões —elas têm três metros de altura e quatro de largura— faziam parte de “Festa”, exposição que ela apresentava no centro cultural Viaduto das Artes, no Barreiro, bairro da periferia de Belo Horizonte.

Conhecida por performances radicais, nas quais usa o corpo para denunciar episódios de injustiça e violência, Reale é uma das artistas mais importantes do cenário nacional. Ela já participou de mostras como a Bienal de Veneza, uma das maiores de arte contemporânea do mundo, e do Panorama, mostra bienal do Museu de Arte Moderna.

Nas imagens, policiais devoram sobremesas chiques de boca aberta. Em outra, três meninos são postos contra a parede vestindo só cuecas samba-canção com estampas de fast-food. A galeria Nara Roesler, que representa a artista, preferiu não divulgar os valores dos trabalhos.

 

Idealizador do Viaduto das Artes, Leandro Gabriel afirma que dois policiais o abordaram antes da abertura da exposição, no sábado passado. Eles disseram estar na região por causa de uma ocorrência.

Gabriel diz ter explicado a ação, que envolvia expor as obras da artista ao ar livre, debaixo de um viaduto, e se oferecido para retirar as imagens, mas os policiais disseram que isso não era necessário. Mais tarde, na abertura, viaturas rondavam o local.

Segundo o diretor do Viaduto das Artes, o centro cultural recebeu ao longo da semana uma série de ligações anônimas, desligadas uma vez atendidas.

Gabriel conta ter conseguido acesso a câmeras de segurança da vizinhança que registram o furto no dia seguinte à ação. Nas filmagens, por volta das 1h30 da manhã da quarta-feira vários homens de capacete trouxeram cones para desviar o trânsito e retiraram as fotografias do espaço.

Ele afirma ter enviado às imagens à Polícia Civil e agora aguarda um posicionamento deles para esclarecer o paradeiro dos trabalhos.

Outra das obras que compunham a mostra, uma instalação que recria um ambiente animado com luzes de antigas viaturas policiais e trilha sonora das chamadas de socorro, não foi furtada —a peça estava exposta dentro do centro cultural.

Reale conta que os trabalhos questionam a intimidade que as pessoas mantêm hoje com a violência, consumindo e compartilhando imagens como aquelas dos presos decapitados durante o massacre no presídio de Altamira, no interior do Pará, no final de julho.

“Coloco os doces porque essas imagens são saborosas”, explica a artista, por telefone. Em protesto ao furto, ela disponibilizou para download gratuito um autorretrato em que, vestida de policial, se lambuza com um cupcake. A imagem pode ser baixada na sua conta do Instagram, @bernareale. “Existe um prazer nessa divulgação, nessa propagação de violência.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.