Descrição de chapéu Livros

Editoras reagem a ato de censura promovido por Crivella na Bienal do Rio

Fiscais foram ao evento para verificar a denúncia de que livros impróprios para menores de idade estão sendo vendidos

Leonardo Sanchez
São Paulo

Diversas editoras de livros brasileiras estão se manifestando nesta sexta (6) contra o anúncio do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, de que censuraria exemplares do gibi “Vingadores - A Cruzada das Crianças”, expostos na Bienal do Rio, por conterem imagens de um beijo gay.

Acompanhados pelo subsecretário de operações da Secretaria Municipal de Ordem Pública, o coronel Wolney Dias, fiscais visitaram a feira para verificar a denúncia de que livros impróprios para menores de idade estariam à venda.

Poucas horas após a determinação, editoras foram às redes sociais protestar. Em comunicado divulgado à imprensa e publicado também na internet, a Companhia das Letras manifestou seu "repúdio a todo e qualquer ato de censura" e se posicionou "à favor da liberdade de expressão".

"Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria —que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual— tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz", assina o fundador da empresa, Luiz Schwarcz.

A Galera Record, selo do Grupo Editorial Record, publicou uma foto com diversos livros de temática LGBT distribuídos por ela, como o vencedor do Pulitzer "As Desventuras de Arthur Less". "Homofobia é crime e acreditamos que o papel do Estado é incentivar a leitura e não criar barreiras que marginalizem uma parcela da população que já sofre com a intolerância", diz a nota.

"Nossos livros estão à venda no estande [da Bienal do Rio] e em todas as livrarias brasileiras, online e físicas. Vamos continuar lutando para que todos os jovens se vejam representados em nossas histórias."

De forma semelhante, a Intrínseca compartilhou nas redes sociais imagens de livros de seu catálogo, como "Me Chame pelo Seu Nome", "Com Amor, Simon" e "E Se Fosse a Gente?". "Em um mundo que nega nossa existência, os livros nos mostram a beleza de ser quem somos", diz a publicação.

Dedicada ao público infantojuvenil, a Plataforma 21, selo da V&R Editoras, diz que "a arte está sob ataque" e que "os livros e a literatura são a mais valiosa arma para vencer preconceitos e acabar com a desinformação". A Rocco, também com amplo catálogo destinado aos jovens, tem usado as redes sociais desde o ocorrido para promover alguns de seus títulos com temática LGBT, como “A Bela e a Adormecida” e “A Garota Dinamarquesa”.

Compartilhando uma imagem do livro “Como as Democracias Morrem”, de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, a Zahar, que promove debates sobre autoritarismo e literatura trans na Bienal, endossou o posicionamento do Sindicato Nacional dos Editores de Livros.

“O Snel repudia toda e qualquer forma de censura e restrições à livre manifestação cultural. Dessa forma recebemos com indignação a tentativa de restringir a venda de alguns livros e revistas durante a 19ª Bienal Internacional do Livro Rio. [...] Para haver democracia é imprescindível o diálogo, tolerância e o respeito à produção intelectual dos editores e autores em nosso país”, diz a nota.

Já a Editora Sextante compartilhou mensagem da Arqueiro, em que classifica o ato de ler como “revolucionário” e se declara “a favor de toda forma de amor”. A Moderna exaltou o poder de reflexão associado à leitura e complementou: “entendemos que tal busca [de livros ‘impróprios’] remete a um período sombrio da nossa história como brasileiros: um período em que o medo impedia a liberdade de ser quem somos”.

A Quimera Produções Literárias  e a Todavia também protestaram. A primeira compartilhou uma imagem na qual se lê "aqui não acreditamos em censura", enquanto a segunda declarou que continuará "publicando e vendendo livros que exprimem nossa visão plural de mundo e do Brasil, direito esse amparado pela Constituição".

No começo da noite, a Câmara Brasileira do Livro, entidade por trás da Bienal Internacional do Livro de São Paulo e do Prêmio Jabuti, emitiu nota em que classifica a liberdade de expressão como “um dos pilares fundamentais para a democracia”

“É importante cultivá-la e defendê-la, zelando por sua integridade porque se trata de direito assegurado a todos. [...] É na riqueza dos debates e na pluralidade de ideias que a humanidade tem evoluído ao longo destes anos e o livro tem sido fiel escudeiro nesta jornada”, diz o posicionamento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.