Descrição de chapéu
Cinema

Filme une ficção ao real para investigar história do corpo feminino

'O Corpo É Nosso!' carece de olhar para outras realidades regionais no Brasil na pluralidade que visa apresentar

Nayara Reynaud

O Corpo é Nosso!

  • Quando Estreia nesta quinta (5)
  • Elenco Renato Góes, Roberta Rodrigues, Oscar Magrini, Heitor Martinez
  • Produção Brasil, 2019
  • Direção Theresa Jessouroun

A mistura entre ficção e documentário tem sido tão comum no cinema nacional contemporâneo, que o formato proposto pela docuficção “O Corpo É Nosso!” é até mais tradicional do que o hibridismo de outros exemplares recentes, que borram mais esses limites.

No longa de Theresa Jessouroun, que já havia flertado com a encenação de crimes no seu documentário anterior “À Queima Roupa” (2014), o recurso ficcional surge como fio condutor ao espectador para um amplo olhar histórico à respeito da liberação do corpo da mulher brasileira. E também como um artifício para tentar angariar certa empatia da plateia, especialmente masculina.

O público é apresentado primeiro a um jornalista interpretado por Renato Goés, que é pautado a contragosto para uma série de reportagens sobre feminismos —sim, no plural, pois existem diferenças de pensamentos.

Ao mesmo tempo em que é confrontado com seu próprio passado nessa investigação, reexaminando as máculas do machismo e do racismo nele, este repórter faz grande parte da sua pesquisa a partir dos depoimentos de especialistas para um documentário da própria Jessouroun.

O exercício metalinguístico fornece, através das falas de antropólogos, historiadores, ativistas e outros profissionais, uma análise da representação do corpo feminino no Brasil, desde o século 19, centrada nas manifestações culturais do país, particularmente, a música e a dança.

A diretora toma o funk como ponto de partida para desmistificar uma visão conservadora sobre a imagem feminina e defender como uma mulher pode usar a exposição de seu corpo para reafirmar seu poder sobre ele. No entanto, se ele é um instrumento libertador, pode ser igualmente aprisionador.

Os efeitos adversos dessa liberação corporal são levantados somente no último ato, quando o longa aborda superficialmente o problema da objetificação e adentra no questionamento aos padrões de beleza que passaram a oprimir tantas mulheres a partir de então.

De forma diferente, o filme também vive o seu dilema para tentar firmar uma conexão entre sua parte documental e a ficcional, com esta se sustentando pelo elenco. Se há uma ligação, ela está nesse jornalista que deixa de ir a campo ao longo de sua matéria, tal qual o documentário carioca que se restringe ao estilo "talking heads", com entrevistas formais.

A escolha traz um didatismo esclarecedor para diferenciar as trajetórias do corpo das mulheres negras em relação às brancas neste processo histórico, mas carece de um olhar para outras realidades regionais e socioeconômicas na pluralidade que visa apresentar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.