Descrição de chapéu
Cinema

Ang Lee trata com simplicidade e doses de humor trama de assassino perseguido pelo próprio clone

'Projeto Gemini' traz Will Smith em versão mais jovem, graças a tecnologia alardeada pelo filme

Sérgio Alpendre

Projeto Gemini

  • Classificação 14 anos
  • Elenco Will Smith, Mary Elizabeth Winstead e Clive Owen
  • Produção China/EUA, 2019
  • Direção Ang Lee

Em tempos de fixação exagerada nos avanços tecnológicos, o que mais chama a atenção em um novo blockbuster não é seu ator principal nem o diretor, mas a tecnologia usada.

Mas os motivos para se ver “Projeto Gemini” estão muito mais representados pelo ator, Will Smith, e por seu diretor, Ang Lee, do que pelo 3D+ em HFR alardeado pelo filme e comentado no boca a boca.

O que tem a mais nessa tecnologia —um aspecto cada vez mais artificial, disfarçando-se de realista. O que tem de fato e que já podíamos esperar em um filme com Smith e Lee no comando —atuação minimamente competente e algo a se reter na direção.

Porque qualquer filme de Ang Lee, do mais comercial ao mais pretensioso, denota sempre uma atenção especial a algum aspecto normalmente deixado em segundo plano, uma delicadeza de olhar e uma sensibilidade que fazem a diferença na construção narrativa.

Smith é Henry Brogan, um assassino profissional que trabalha para o governo dos Estados Unidos. É considerado o melhor no seu ramo. Mas depois de uma missão muito arriscada, percebe que esse ramo não faz bem para ele e decide que é hora de se aposentar.

O problema é que essa última missão revela também uma dupla manobra traiçoeira, e seus superiores, Clay Verris (Clive Owen) e Janet Lassiter (Linda Emond), conseguem flagrar o momento em que ele é informado disso por um velho amigo de combate.

O que se segue é algo que já vimos inúmeras vezes no cinema: o assassino passa a ser perseguido por outros assassinos, porque é necessário realizar uma queima de arquivo. Junto dele, Danny (Mary Elizabeth Winstead), uma funcionária do governo que acaba implicada no caso, e Baron (Benedict Wong), outro companheiro de combate.

Tudo se torna mais complicado quando Henry descobre que o seu jovem perseguidor pensa exatamente como ele, adiantando-se aos menores movimentos. Difícil dizer mais sem entregar informações importantes da trama, os famigerados “spoilers”. Basta dizer que a complexidade é tratada de maneira simples por Ang Lee, e essa simplicidade é louvável.

A narrativa simples é construída de maneira sóbria, com atuações impecáveis, diálogos acima da média para um filme de ação, cenas muito bem dirigidas e também uma discreta dose de humor.

A direção, aliás, faz a diferença até numa perseguição de moto que lembra videogame, com a câmera que acompanha as acelerações dos veículos e as coisas impossíveis que eles fazem. Ou seja, até filmando algo derivado de um game Ang Lee se sai bem.

Salas e horários

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.