Descrição de chapéu
Cinema

'Maria do Caritó' toma caminho promissor, mas está longe de ser inesquecível

Lilia Cabral dá vida a virgem de 50 anos e assume diálogos afiados e de humor delicado

Maria do Caritó

  • Classificação 12 anos
  • Elenco Lilia Cabral, Leopoldo Pacheco, Kelzy Ecard e Gustavo Vaz
  • Produção Brasil, 2018
  • Direção João Paulo Jabur

Depois de uma longa e premiada carreira no teatro, o autor recifense radicado em São Paulo Newton Moreno chega, enfim, ao cinema.

É algo para celebrar. Moreno é um dos principais dramaturgos brasileiros da atualidade, com textos que recriam o imaginário popular, com referências a Gilberto Freyre, Ariano Suassuna, entre outros. 

Pode parecer, à primeira vista, que sua obra —no limite da fábula— se afasta de uma visão contemporânea da sociedade brasileira. Engano. 

Como fica evidente em “Maria do Caritó”, Moreno vê o país de um modo particular, sem medo de referências do passado e de tradições rurais para reinterpretar o presente. 

O mote do filme dirigido por João Paulo Jabur é a conquista da autonomia feminina. Idolatrada como santa, Caritó busca se desgarrar das amarras da família, da religião e da política

É um papel na medida para Lilia Cabral, muito à vontade com os diálogos afiados do roteiro assinado por Moreno e José Carvalho. A atriz conjuga um humor delicado, com incursões no universo clown, e alguma melancolia. 

A cena em que apresenta um pot-pourri com Wando e Anitta está entre os bons momentos da comédia. Outro trunfo do filme é o coronel ameaçador de Leopoldo Pacheco. 

Longe de ser inesquecível, “Caritó” toma um caminho promissor, a trilha de um cinema brasileiro abertamente popular, sem vulgaridade. Que venham outros filmes assim.

Salas e horários

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.