Descrição de chapéu Rock in Rio

Nile Rodgers e Chic fazem público requebrar com soul no Rock in Rio

O guitarrista já colaborou com artistas como David Bowie, Daft Punk e Lady Gaga

Lucas Brêda
Rio de Janeiro

No Rock in Rio, o guitarrista Nile Rodgers foi "promovido". Em 2017, ele e sua banda, o Chic, tocaram no palco secundário, o Sunset, e o show foi tão festejado que este ano eles foram escalados para horário nobre (20h10) e a um palco maior.

Apesar de maior que da última vez, a plateia não estava exatamente lotada no show desta quinta-feira (3). De certa forma, os espaços no meio do público acabaram sendo ideais para quem queria dançar, com apelo especial à fatia mais velha dos fãs.

Nile Rodgers no palco do Rock in Rio
Nile Rodgers no palco do Rock in Rio - Adriano Vizoni/Folhapress

Com banda afiada e vocalistas energéticas, Rodgers emendou algumas das músicas mais dançantes do século passado. Foi de sucessos do Chic, como "I Want Your Love", a hits que o guitarrista gravou com outros cantores, como "I'm Coming Out", de Diana Ross.

Logo no começo, Rodgers mostrou as credenciais, citando artistas com quem trabalhou. Entre eles David Bowie, Duran Duran, Lady Gaga e a banda brasileira Jota Quest.

Paladino do groove, Rodgers é conhecido por ser um dos pilares da disco music dos anos 1970. Mas ele continua gravando com artistas contemporâneos, como o duo eletrônico Disclosure e o cantor Sam Smith.

O guitarrista lembrou a história de "Get Lucky", parceria dele com o Daft Punk de 2013. Disse que havia sido diagnosticado com um câncer quando os franceses entraram em contato com ele. O hit, naturalmente, foi um dos momentos mais animados.

"Quando me perguntam que tipo de banda vocês são, digo que o Chic é R&B, dance, disco, funk e soul. Somos soul music!", apresentou-se. "Vocês nos entendem? Fazemos música que vem da alma."

Em performances como "Notorious", do Duran Duran, Rodgers mostrou o porquê de ser uma lenda da guitarra dançante.

Além da melodia, ele evoca todo o balanço do funk com a mão direita.O show ainda contou com "Let's Dance", de Rodgers com David Bowie, e dois clássicos do Chic, "Le Freak" e "Good Time".

A última teve o palco completamente tomado pela plateia e as caixas de som –com chiados desde o começo– quase estouradas.

Em um dia essencialmente roqueiro, com Capital Inicial e Red Hot Chili Peppers no palco principal, o Chic colocou dezenas de milhares para requebrar no Rock in Rio. Não apenas redimensionou o que havia feito há dois anos, mas deu nova faceta à nostalgia pop do festival.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.