Descrição de chapéu Livros

'O Brasil hoje lembra a África pré-guerra civil', dizem Mia Couto e Agualusa

Para escritores, o país resolveu pôr fim ao diálogo e dinamitar suas pontes com o mundo

Mia Couto (esq.) e José Eduardo Agualusa no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo

Mia Couto (esq.) e José Eduardo Agualusa no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo Karime Xavier/Folhapress

Bruno Molinero
São Paulo

O moçambicano Mia Couto e o angolano José Eduardo Agualusa gostam de dizer que estavam fadados um ao outro e que parecem ser amigos desde sempre. Juntos, costumam rir a todo instante, um do outro ou das coisas que os cercam. 

Mas na conversa que tiveram com a reportagem na última terça-feira (1º), eles mal esboçaram um sorriso. “O clima que vemos no Brasil hoje é assustadoramente semelhante à situação que existia nos nossos países no início da guerra civil”, diz Agualusa.

Dois dos principais escritores da África de língua portuguesa, eles viajaram a São Paulo para participar de um evento no Instituto Tomie Ohtake sobre o livro que publicaram a quatro mãos no primeiro semestre deste ano, “O Terrorista Elegante e Outras Histórias”. E aproveitaram a visita para olhar com preocupação o Brasil de 2019.

“A primeira coisa que uma guerra civil faz é dividir as famílias e acabar com o diálogo. Sei que a tentação é pegar em armas e dizer que estamos em guerra. O mais difícil é reestabelecer a conversa entre os que discordam, mas é urgente que o Brasil faça isso”, completa o angolano.

O resultado do processo de polarização pelo qual o país passa nos últimos anos, segundo eles, é uma mudança na imagem como o Brasil é visto no exterior. “A nação alegre, festiva e mestiça de repente se revelou brutal, cruel, má. Nós trocamos uma mentira agradável por uma verdade crua, explícita na sua nudez frontal horrorosa, sem pudor, sem vergonha”, diz Agualusa.

“O país agora não se preocupa mais em construir pontes com o mundo, em ter amigos”, continua Mia Couto. A apreensão de ambos começou a se transformar em literatura. Agualusa publicou na edição de setembro da revista portuguesa Visão um conto com o título “O Triste Fim de Jair Messias Bolsonaro”, no qual o presidente brasileiro acaba desaparecendo e é tratado como uma doença.

O autor de Angola, que hoje mora em Moçambique, explica que pessoalmente encara mais o mandatário 
brasileiro como uma vacina. “Não é possível gerir um país somente dinamitando pontes e construindo muros. Por isso acho que Bolsonaro está a destruir as hipóteses de a direita vir a ser um poder real, efetivo e duradouro.”

“A vacina é uma doença inoculada para inibir a própria doença”, segue Couto, que além de escritor é biólogo.

Para o autor de obras como “Terra Sonâmbula”, porém, nada disso tem poder suficiente para atrapalhar o intercâmbio cultural entre o Brasil e os países da África

“Mesmo quando não existe um interesse em reforçar os laços que foram criados, essa relação tende a se manter. Os escritores africanos publicados no Brasil, por exemplo, não estão aqui como resultado de uma política qualquer feita por um lado ou outro.”

Ao que Agualusa interrompe. “Mas haverá mais dificuldades agora”, diz. O que o moçambicano reconhece. “É claro. Mesmo os governos militares brasileiros não tiveram essa política de terra queimada.”

Mia Couto exemplifica essa “política de terra queimada” não só de forma literal, com os incêndios na Amazônia, mas com um discurso que, na visão dele, não tem capacidade de traduzir o Brasil plural. “Eles têm medo dessa sociedade múltipla, por isso reagem contra a diversidade, a diferença, a poesia.”

Nesse quesito, tanto um quanto o outro são reconhecidos por injetarem uma alta carga poética e de lirismo em suas literaturas, mesmo em romances ou prosas curtas —como em “O Terrorista Elegante e Outras Histórias”, que transforma em conto três peças escritas pelos dois .

Eles justificam isso dizendo que a poesia tem a capacidade de conter múltiplas leituras, chegar mais longe e se afastar de uma verdade absoluta.

Nesse sentido, seria o Brasil de 2019 um país antipoético?

Segundo Agualusa, não necessariamente. “O erro também traz consigo uma poesia imprevista. Quando
você assiste a algum discurso feito por Bolsonaro, por exemplo, existem momentos tão hilários que chegam a ser poéticos. Uma poesia involuntária pode nascer daí.”

O Terrorista Elegante e Outras Histórias

  • Preço R$ 41,90 (160 págs.)
  • Autor Mia Couto e José Eduardo Agualusa
  • Editora Tusquets
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.